Segurança máxima? Justiça do DF interdita nova ala do Complexo da Papuda após três tentativas de fuga

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Karoline Ávila e Pedro Alves, TV Globo e G1 DF

 


Construção de dois blocos no Centro de Detenção Provisória (CDP) da Penitenciária da Papuda, em Brasília — Foto: Gabriel Jabur/GDF/Reprodução

Construção de dois blocos no Centro de Detenção Provisória (CDP) da Penitenciária da Papuda, em Brasília — Foto: Gabriel Jabur/GDF/Reprodução

A Vara de Execuções Penais do Distrito Federal (VEP-DF) determinou, nesta segunda-feira (26), a interdição da ala D do Bloco I do Centro de Detenção Provisória (CDP), no Complexo Penitenciário da Papuda. A decisão atende a pedido da Secretaria de Administração Penitenciária do DF (Seape-DF).

Os detentos da ala D devem ser transferidos para a ala B da unidade. Segundo a determinação, da juíza Leila Cury, a interdição é necessária porque, durante o fim de semana, houve três tentativas de fuga do presídio, que foram frustradas. A magistrada deu prazo de 30 dias para que a Seape-DF apresente um plano para reforma do local.

Este é o terceiro setor do presídio bloqueado nos últimos oito meses, por conta da estrutura precária. No dia 14 de setembro, após a fuga de 17 presos, a Justiça já havia determinado a interdição da ala C. Oito meses antes, a ala A foi interditada depois que três detentos escaparam.

Na decisão, a juíza afirma que, após a última fuga, houve divulgação de informações sobre a estrutura do prédio que, segundo ela, podem ter ajudado nos planos dos internos. “[O] vazamento de fotos, vídeos e informações da estrutura do presídio, muito provavelmente colaboraram para os lamentáveis episódios do último fim de semana”, diz.

“[…] analisando as imagens produzidas e para cá remetidas, é possível concluir que, pelo menos duas delas [tentativas de fuga], seguiram a mesma técnica empregada na última fuga e a última, ora reportada, indica ainda mais ousadia e destemor, na medida em que o ataque foi direcionado à parede frontal da cela, voltada para o pátio, em plena luz do dia, quando a unidade tem seu efetivo de policiais reforçado”, afirma a juíza na decisão.

 

Leila Cury também diz que o estado do presídio é preocupante. “A situação do CDP sempre causou extrema preocupação para este Juízo, por ser o presídio mais antigo do sistema penitenciário do DF, bem como por ter estrutura arquitetônica bastante frágil. É que, à época de sua construção, ainda na década de 1960, não era comum o uso de concreto, tampouco de malhas de ferro para o reforço e contenção do ambiente prisional.”

Fuga de 17 presos

Dos 17 presos que escaparam do CDP no último dia 14, quatro continuavam foragidos até o início da tarde desta terça (27). Câmeras de segurança flagraram o momento em que os detentos escaparam do presídio, por um buraco no teto (assista acima).

As imagens mostram que eles usaram um espécie de corda para acessar a área externa das celas. No vídeo, é possível ver pelo menos cincos detentos saindo pelo teto do CDP.

Dos 17 presos que escaparam do CDP no último dia 14, quatro continuavam foragidos até o início da tarde desta terça (27). Câmeras de segurança flagraram o momento em que os detentos escaparam do presídio, por um buraco no teto (assista acima).

As imagens mostram que eles usaram um espécie de corda para acessar a área externa das celas. No vídeo, é possível ver pelo menos cincos detentos saindo pelo teto do CDP.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler