Restaurantes comunitários entram como serviço essenciais no DF aprovado pelo Sesc

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

CESC aprova reconhecimento de restaurantes comunitários como serviços essenciais

01.06.2021
Fonte: Portal CLDF
Adaptações: Alexandre Torres
Guará News

O deputado Delegado Fernando Fernandes destacou que os espaços são a única fonte de alimentação para grande parcela da população, que sofre com a pandemia de Covid-19

Em reunião extraordinária remota na tarde desta segunda-feira (31), a Comissão de Educação, Saúde e Cultura (CESC) da Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou o projeto de lei nº 1.830/2021, do deputado Delegado Fernando Fernandes (Pros), que reconhece as atividades dos restaurantes comunitários como serviços essenciais para a população, em situações de calamidade pública, de emergência, de epidemia ou de pandemia. Na prática, a medida garantirá o funcionamento dos restaurantes, inclusive nos finais de semana. O texto ainda tem que ser analisado no plenário da CLDF.

O deputado Delegado Fernando Fernandes destacou que os espaços são a única fonte de alimentação para grande parcela da população, que sofre com a pandemia de Covid-19. Segundo o projeto, os restaurantes comunitários devem funcionar aos finais de semana. “É notório que durante a pandemia as desigualdades sociais aumentaram de maneira cruel para os mais necessitados, ou seja, os mais pobres. Dessa forma, garantir o acesso à alimentação nos Restaurantes Comunitários do Distrito Federal, mesmo que por meio de marmitas, é garantir um mínimo de dignidade, saúde, esperança e humanidade para a população mais carente, especialmente neste momento da pandemia”, justificou o autor.

Prevenção e redução da mortalidade

A Comissão também aprovou o projeto de lei nº 1.297/2020, do deputado Delmasso (Republicanos), que estabelece diretrizes para a prevenção e redução da mortalidade materno, infantil e fetal durante o período da pandemia do Covid-19. Pela proposta, as medidas de prevenção e redução da mortalidade materno, infantil e fetal seguirão as seguintes diretrizes: I – sensibilizar os formuladores de políticas, as instituições de assistência à saúde da família e a comunidade sobre a gravidade das mortes maternas e infantis, suas causas e efeitos sociais e de saúde e as formas de evitá-las; II – recomendar ações adequadas de assistência qualificada ao parto e puerpério e combate às mortes maternas, infantis, perinatais e neonatais no que se refere à legislação, com estabelecimento de ações adequadas ao período da pandemia, tais como: busca ativa, cadastramento e atendimento domiciliar de gestantes, para o devido acompanhamento do pré-natal; e III – assegurar o direito das gestantes e parturientes à assistência baseada em boas práticas de atenção ao parto e ao nascimento, com atendimento centrado na mulher e na família e redução da ocorrência de cesarianas desnecessárias.

Participaram da reunião os deputados Arlete Sampaio (PT), Jorge Vianna (Podemos), Delmasso (Republicanos), delegado Fernando Fernandes (Pros).

Luís Cláudio Alves – Agência CLDF

Você também pode querer ler