Hoje é dia de namorar e lembrar como é um grande amor, histórias de casais que desafiaram a sorte e o destino para encontrar o amor

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Amanda Sales*, g1 DF

Conheça a história de casais que desafiaram a sorte e o destino para ficar juntos.  — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Conheça a história de casais que desafiaram a sorte e o destino para ficar juntos. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Patrícia e Guilherme se conheceram durante tentativa de assalto

 

O casal, Patrícia Santos e Guilherme Carvalho, e a filha  — Foto: Foto: Arquivo pessoal

O casal, Patrícia Santos e Guilherme Carvalho, e a filha — Foto: Foto: Arquivo pessoal

A paixão acontece onde e quando menos se espera, e os amores à primeira vista podem surgir da mesma forma. Foi assim a história dos empresários Patrícia Santos, de 25 anos, e Guilherme Carvalho, de 23 anos, unidos pelo destino três vezes, a primeira, em uma tentativa de assalto, em 2017.

Patrícia e Guilherme estavam a caminho de casa, ambos saindo da escola. Foi quando ele acabou parado por dois jovens, de bicicleta: era uma tentativa de assalto.

Patrícia viu a cena e, quem sabe, até por causa da presença da jovem, os assaltantes acabaram desistindo e não levaram nada. O casal ainda não se conhecia.

”Ele [Guilherme] acelerou o passo, e eu tentei alcançar ele pra entender o que tinha acontecido. Na pressa e no nervosismo, a gente acabou nem trocando telefone. Mas eu já tinha achado ele bem bonitinho”, conta Patrícia.

 

Um tempo depois, o destino – ou qualquer que seja o nome – fez com que os dois se encontrassem novamente. ”Eu tava mexendo no computador, e ai eu vi aquelas mensagens de sugestão de amizade. Era ele”, lembra Patrícia.

Antes mesmo de sair com Guilherme, ela conta que já comentava, brincando, que iria se casar com ele. Até que, em 2019, surgiu a terceira chance para o romance.

Eles contam que superaram diversos contratempos, como mudança de cidade, a falta de contato, mas que tudo foi superado. Atualmente, Guilherme e Patrícia estão casados e são pais de Manuela, que tem quase 2 anos.

”Eu digo que me apaixonei pelo Guilherme três vezes”, diz Patrícia.

 

Vitória e Gabriel lutam para desmistificar Síndrome de Down

 

Casal Vitória Mesquita e Gabriel Lima — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Casal Vitória Mesquita e Gabriel Lima — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Para Vitória Mesquita, de 23 anos, e Gabriel Lima, de 24 anos, o que ocorreu foi amor à primeira vista. O modelo e a influenciadora digital se conheceram em um projeto educacional, em 2019, quando Vitória ainda namorava um outro jovem.

”Acabei me apaixonando à primeira vista pelo Gabriel, achei ele muito lindo e é o amor da minha vida”, diz Vitória.

 

Os namorados, que têm Síndrome de Down, sonham em se casar e morar sozinhos. Os dois trabalham com conteúdos para internet para desmistificar estigmas da síndrome.

Vitória já soma algumas conquistas nesse sentido. No ano passado, ela conseguiu que o maior site de buscas do mundo mudasse a definição da síndrome que, até então, era definida como “doença”. A partir do trabalho de Vitória, o Google passou a classificar trissomia do cromossomo 21 como “condição genética”.

”O sonho do Gabriel é fazer faculdade de música, em Nova York, e o meu é ter uma carreira de sucesso. Nós vamos fazer isso juntos”, conta Vitória.

 

Brenda, Guilherme e o ‘atropelamento por amor’

 

O casal, Brenda Battaglia e Guilherme Mendes. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

O casal, Brenda Battaglia e Guilherme Mendes. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Durante a pandemia de Covid-19, muitos solteiros utilizaram aplicativos de namoro para conhecer pessoas. Foi assim que os caminhos da analista de marketing Brenda Battaglia e do advogado Guilherme Mendes se cruzaram.

Depois de trocaram muitas mensagens e figurinhas pelo app, com direito até a um pedido de casamento de mentira, eles decidiram marcar um encontro. No entanto, no dia combinado, Brenda descobriu que estava com Covid e eles não puderam se ver presencialmente.

O tempo foi passando, os assuntos virtuais foram diminuindo, mas os dois não pararam de se falar. Após o período de isolamento social diminuir, Brenda foi visitar parentes em um condomínio, em Brasília.

Na hora de ir embora, ao dar ré no carro para sair, a analista de marketing percebeu que bateu “em algo”. Por destino – ou conspiração do universo – Brenda atropelou Guilherme que morava no mesmo condomínio.

”Só senti um impacto, de leve. Saí desesperada do carro e, quando vi que era ele, eu fiquei morrendo de vergonha”, lembra a jovem

 

Brenda conta que, “além de tudo”, o carro dela estava muito sujo e que Guilherme se levantou do chão limpando a poeira.

”A primeira coisa que ele falou pra mim foi: só assim pra gente se conhecer né”, diz Brenda.

 

Depois disso, não teve jeito, o casal nunca mais se desgrudou.

Gabriel e Helô: um amor de cinema

 

O casal, Helô Laranjeira e Gabriel Scorsin. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

O casal, Helô Laranjeira e Gabriel Scorsin. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

O cineasta e estudante de atuação Gabriel Scorsin, e a produtora e estudante de cinema Helô Laranjeira, tem uma história “quase de filme”, como costumam dizer. Eles se conheceram em um “casting” de um curta-metragem de aventura.

À época, Helô namorava outra pessoa e Gabriel tinha acabado de sair de um relacionamento. Ao serem escalados para interpretar um casal no curta, o jovem lembra que precisou “segurar os sentimentos”, porque havia ficado encantado com a moça.

Com a pandemia de Covid-19, a produção do filme acabou suspensa, e os dois não se viram durante o isolamento. ”Tínhamos trocado algumas mensagens pra acertar algumas coisas do filme, mas tinha sido só isso, tanto que o contato dele tava salvo como ‘Gabriel o menino do casting do jogo’, e essa tinha sido a única interação”, conta Helô.

“Mas eu sentia que tinha muita coisa pela frente”, diz a estudante de cinema.

 

Em 2021, quando Gabriel começou a produzir o trabalho de conclusão do curso (TCC), ele fez, junto com colegas, um novo casting para a produção do filme. Adivinha quem estava na fila?

Helô foi novamente escalada para ser parceira do personagem de Gabriel. ”’Eu sempre tive um leve ‘crush’ nele, mas tinha medo de ser rejeitada, então, ficava na minha”, conta a jovem.

O casal, Helô Laranjeira e Gabriel Scorsin. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

O casal, Helô Laranjeira e Gabriel Scorsin. — Foto: Foto: Arquivo pessoal

Nos ensaios, o casal foi ficando cada vez mais próximo. Eles chegaram a virar muito amigos, diz ela, que jurava que ele não estava apaixonado.

Depois de mais um dia de filmagem, Gabriel convidou Helô para sair. ”Pensei que ele só tava fazendo isso pra descansarmos de uma semana agitada, eu com os sets e ele com o TCC”, diz ela. Porém, a estudante foi surpreendida por uma caça ao tesouro que tinha diversas semelhanças com o cenário do filme que participaram.

”Como nos conhecemos pelo ‘Uncharted‘, tentei adaptar uma cena do primeiro jogo, onde os personagens que iríamos interpretar, Nathan Drake e Elena Fisher, se aproximam com sentimentos mútuos em um barco, ao pôr do sol, depois de uma aventura. Paguei por um passeio de barco no Lago Paranoá ao final da tarde, bem no dia 19 de novembro, data em que o jogo foi lançado para fazer o pedido de namoro”, conta Gabriel.

 

Durante o passeio, Gabriel lembra que fez um brincadeira. ”O meu personagem sempre usava um colar com o anel de um antepassado. Quando estávamos indo até o lago, usei o anel normal do Nathan [o personagem] pra não entregar a surpresa. Mas, durante o passeio, me levantei, fui até a parte traseira do barco e troquei o anel de Nathan por outro com um “Player 1″”.

”Nos aproximamos da Ponte JK e ela veio até mim. Foi quando eu disse que estávamos perto de encontrar o ‘Tesouro’. Ela olhou no mapa e viu a nota ‘Olhe para o anel’ logo abaixo da nossa localização. Ela percebeu o anel diferente com o ‘Player 1’ e , logo em seguida, mostrei a ela o anel com ‘Player 2′” completa Gabriel.

Brenda entendeu a cena e estava feita a declaração de amor, como no cinema.

*Sob supervisão de Maria Helena Martinho

Você também pode querer ler