Escolas de samba do DF são inabilitadas para desfile no carnaval de 2020

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Luiza Garonce, G1 DF

 


Escola de samba Acadêmicos da Asa Norte — Foto: Mariana Costa/UnB AgênciaEscola de samba Acadêmicos da Asa Norte — Foto: Mariana Costa/UnB Agência

Escola de samba Acadêmicos da Asa Norte — Foto: Mariana Costa/UnB Agência

A União das Escolas de Samba do Distrito Federal (Uniesb) foi considerada “inabilitada” para receber investimento do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) para o carnaval de 2020. O resultado final de mérito (entenda ao final) foi divulgado no dia 26 de dezembro e mantém a avaliação divulgada na etapa preliminar – quando ainda cabia recurso.

G1 questionou a Secretaria de Cultura e Economia Criativa (Secec) se, mesmo assim, as escolas receberão algum aporte da pasta para participar do carnaval, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem. A Uniesb não quis comentar.

Ala das baianas em uma das escolas de samba do DF no carnaval de 2011 — Foto: Divulgação/ Agência BrasíliaAla das baianas em uma das escolas de samba do DF no carnaval de 2011 — Foto: Divulgação/ Agência Brasília

Ala das baianas em uma das escolas de samba do DF no carnaval de 2011 — Foto: Divulgação/ Agência Brasília

ex-secretário Adão Cândido havia anunciado a liberação de R$ 1,2 milhão para a retomada do desfile das agremiações em 2020. O valor estava incluído no montante de R$ 5 milhões do edital do FAC destinado ao carnaval.

Etapas e projetos

Em princípio, a ideia da Secec era selecionar 67 projetos, entre blocos e plataformas carnavalescas. No resultado final de mérito – que avalia a importância cultural das propostas – 66 inscrições foram classificadas para a próxima etapa, da admissibilidade (entenda ao final).

Carnaval de rua de Brasília em 2019 — Foto: Secretaria de Cultura do DF/DivulgaçãoCarnaval de rua de Brasília em 2019 — Foto: Secretaria de Cultura do DF/Divulgação

Carnaval de rua de Brasília em 2019 — Foto: Secretaria de Cultura do DF/Divulgação

Segundo o edital, os proponentes “desconsiderados” ou “inabilitados” no mérito ficam excluídos do processo seletivo. Somente os classificados passarão pela análise dos documentos obrigatórios para a execução das atividades propostas.

Dos projetos não classificados, 12 foram considerados “inabilitados” por não atingirem o mínimo de 60 pontos, 21 ultrapassaram os 60, mas não obtiveram pontuação suficiente para serem aprovados, e 18 foram “desconsiderados”, por não cumprirem algum dos requisitos obrigatórios.

Blocos tradicionais

Bloco Galinho de Brasília de 2016 — Foto: Pedro Ventura/Agência BrasíliaBloco Galinho de Brasília de 2016 — Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Bloco Galinho de Brasília de 2016 — Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília

Entre os blocos da Liga Tradicional do DF, dois não obtiveram pontuação suficiente: Mamãe Taguá (com 64 pontos) e Àsé Dùdù (com 63 pontos). A festa de pré-carnaval da Liga também não passou para a etapa de admissibilidade. O projeto obteve 66 pontos.

No entanto, três blocos que não haviam sido classificados no resultado preliminar de mérito – o primeiro de todos – conseguiram pontuação necessária após a apresentação do recurso. Galinho, Raparigueiros e Baratinha foram contemplados no edital.

O que é a fase de ‘mérito cultural’?

Segundo o edital, entende-se por “análise de mérito cultural” a identificação, nos projetos culturais inscritos, de aspectos considerados relevantes. O objetivo desta etapa é “selecionar os melhores dentre os concorrentes, considerando os princípios e objetivos do Sistema de Arte e Cultura do DF”.

O que é a fase de ‘admissibilidade’?

Esta etapa observa, estritamente, o cumprimento dos requisitos formais e documentais previstos no edital. São analisados somente os projetos classificados na fase de mérito cultural, “considerando os critérios de distribuição e remanejamento dos recursos”.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler