Coringa, a história de origem do maior vilão do Batman, chegará aos cinemas em 3 de outubro

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Coringa, a história de origem do maior vilão do Batman, chegará aos cinemas em 3 de outubro com Joaquin Phoenix no papel do icônico personagem. O filme é uma história de origem, mostrando como Arthur Fleck que se tornou o Coringa e também dá destaque aos problemas psicológicos do vilão e sua entrada para o mundo do crime.

O personagem entregue por Phoenix é instável, louco e com uma inocência macabra. É bem relevante notar como o ator trabalha com diferentes risadas ao longo do filme e cada uma delas reforça o seu estado de espírito no momento.

Ao contrário de outras produções recentes da DC, Coringa não tem tantas referências a um universo maior. Apesar de Gotham e a família Wayne terem uma presença importante na história, a época em que o filme retrata (entre as décadas de 70 e 80), não interfere em outras histórias recentes da editora nos cinemas.

Sobre premiações, é provável que Joaquin Phoenix seja lembrado entre os indicados ao Oscar 2019, já que o longa é arriscado e foge do que é esperado do gênero de super-heróis.

Mesmo antes de ser lançado, o longa foi bastante elogiado por uma parte da crítica e ganhou o Leão de Ouro na mais recente edição do Festival de Cinema de Veneza.

Ao mesmo tempo, o filme tem gerado controvérsia nos Estados Unidos por supostamente glorificar a violência. Seus críticos temem que possa inspirar jovens a cometer os mesmos atos retratados na tela.Essa polêmica ocorre em um país onde 2.220 atentados a tiros em massa foram cometidos desde o ataque de 2012 à escola Sandy Hook, na cidade de Newton, no Estado do Connecticut.

O barulho em torno de Coringa vem de dois lados: há críticos do tema em si e há quem o elogie e o considere uma obra-prima.

“Haverá um antes e depois de Coringa. Não sei se o mundo está pronto para este filme, ou talvez sim? É EXTREMO. Loucura. É ousado. Não para. Uau. Não acredito que algo assim existe. Mas está chegando”, escreveu Alex Billington, crítico de cinema do site Firstshowing.net em sua conta do Twitter.

Phillips e Phoenix saíram em defesa do filme. “Acho positivo quando um filme faz você se sentir desconfortável ou te desafia de alguma forma. Isso me atraiu para esse projeto e, de fato, foi a principal razão pela qual decidi fazê-lo”. Não foi um filme fácil de fazer para mim, porque para preparar esse personagem, estive com muitas pessoas que sentiam essa raiva e solidão”, disse Phoenix ao jornal britânico The Daily Telegraph.

Por sua vez, Phillips disse que o longa não é faz apologia à violência e respondeu às críticas. “Acho que tudo isso aconteceu porque a indignação é uma mercadoria. Acho que é algo que tem sido uma mercadoria há muito tempo”, disse ele ao site The Wrap.”O que chama minha atenção neste discurso sobre o filme é a facilidade com que a extrema esquerda pode soar como a extrema direita quando algo se encaixa em sua agenda. Isso realmente abriu meus olhos.”

Segundo a sinopse oficial, Coringa segue a história de Arthur Fleck, um homem lutando para se integrar à sociedade despedaçada de Gotham. Trabalhando como palhaço durante o dia, ele tenta a sorte como comediante de stand-up à noite… Porém descobre que a piada é sempre ele mesmo. Preso em uma existência cíclica, oscilando entre a realidade e a loucura, Arthur toma uma decisão equivocada que causa uma reação em cadeia, com consequências cada vez mais graves e letais, nesta exploração ousada do personagem.

Fonte : Warner Bros – com adaptações e edições Guará News por Gisele Frazão

Você também pode querer ler