A importância da vacinação é lembrada com o dia Nacional da imunização. Confira

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

A importância da vacinação é lembrada com o dia Nacional da imunização. Confira

Por Brenda Ortiz, g1 DF

Menina segura cartaz onde se lê "Vacinas salvam vidas", durante campanha de  imunização contra Covid-19, no Distrito Federal — Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde do DF

Menina segura cartaz onde se lê “Vacinas salvam vidas”, durante campanha de imunização contra Covid-19, no Distrito Federal — Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde do DF

Dia Nacional da Imunização é comemorado nesta quinta-feira (9). A data foi criada com o objetivo de lembrar do papel das vacinas na prevenção de doenças.

“O princípio de qualquer vacina é não deixar que o paciente morra em razão da doença. Mas existem vários tipos de vacina. Tem a vacina que impede que o paciente seja contaminado pela doença, e tem vacina que impede que você pegue uma doença da forma grave. Mas o princípio é evitar a morte”, diz a infectologista Ana Helena Germóglio.

 

Com a queda na cobertura vacinal nos últimos anos, principalmente entre as crianças, o dia ganha ainda mais importância. Uma pesquisa encomendada pelo Ministério da Saúde mostra que o índice médio de vacinação no país está em 67%, abaixo do ideal, que é entre 90% e 95%.

A vacina é uma tecnologia antiga. Os primeiros imunizantes surgiram na China há mais de mil anos. No ocidente, as vacinas são mais recentes, com pouco mais de 200 anos e, no Brasil, elas começaram a ser adotadas na primeira metade do século XIX.

Após virarem política pública de saúde, o Brasil acumulou experiência e se tornou referência internacional pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), que colocou o país no primeiro lugar do mundo, na oferta de vacinas gratuitas para toda a população.

Ao todo, 45 imunizantes diferentes são oferecidos para diversas faixas etárias no país.

Campanhas de vacinação

 

Atualmente, o Distrito Federal conta com três campanhas de vacinação em andamento: gripesarampo e Covid-19 (veja mais abaixo).

Todas as crianças de seis meses até menos de 5 anos devem ser vacinadas contra o sarampo. O público-alvo no Distrito Federal é de aproximadamente 182 mil meninas e meninos e a meta da Secretaria de Saúde é vacinar 95% deles.

Já a vacinação contra gripe, protege contra as formas graves da infecção pelo vírus influenza. A meta é vacinar 90% de todos os grupos que integram o público-alvo da campanha (veja mais abaixo).

Segundo dados da Secretaria de Saúde (SES-DF), até o dia 24 de maio, a cobertura vacinal para o sarampo em crianças era de apenas 19,1% na capital, sendo que a meta era 90%. Já imunização contra a Influenza atingiu apenas 29,3% do público-alvo nesse período. O objetivo era chegar a 95%.

Índice das vacinas obrigatórias nos primeiros 24 meses de crianças brasileiras — Foto: Reprodução/Jornal Nacional

Índice das vacinas obrigatórias nos primeiros 24 meses de crianças brasileiras — Foto: Reprodução/Jornal Nacional

Quem deve se vacinar?

 

Influenza

  • Pessoas com 60 anos ou mais
  • Trabalhadores da saúde
  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias)
  • Gestantes e puérperas
  • Povos indígenas
  • Professores
  • Pessoas com comorbidades
  • Pessoas com deficiência permanente
  • Forças de segurança e salvamento e Forças Armadas
  • Caminhoneiros e trabalhadores de transporte coletivo rodoviário de passageiros urbano e de longo curso
  • Trabalhadores portuários
  • Funcionários do sistema prisional
  • Adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas
  • População privada de liberdade

 

Sarampo

  • Trabalhadores da saúde
  • Crianças de 6 meses a menores de 5 anos

 

Queda na cobertura vacinal

 

Milhares de crianças é vacinada contra sarampo no Dia D de vacinação  — Foto: NSC TV/Reprodução

Milhares de crianças é vacinada contra sarampo no Dia D de vacinação — Foto: NSC TV/Reprodução

Segundo dados do Ministério da Saúdehá seis anos a cobertura vacinal vem caindo no Brasil. Em 2019, pela primeira vez, o país não conseguiu alcançar a meta mínima de cobertura de vacinação de crianças de até um ano, que varia entre 90 e 95%, dependendo do imunizante.

Para especialistas, o cenário, que já era crítico, ficou ainda mais grave com a pandemia de Covid-19, que afastou as pessoas das unidades de vacinação. Em 2020, a tríplice viral, por exemplo, que protege contra o sarampo, a rubéola e a caxumba, e tem meta de cobertura de 95%, imunizou menos de 56% das crianças.

De acordo com a infectologista Ana Helena Germóglio, isso faz com que doenças que já estavam sob controle voltem a nos incomodar. “A exemplo do sarampo, que em 2019 chegou novamente ao Brasil, e fez com que o país perdesse o certificado de erradicação da doença”, afirma. “

“A vacinação é uma forma barata de lutar contra doenças. É muito mais fácil e mais barato vacinar do que medicar uma pessoa, quando ela já está doente. É preciso investir em entender o porquê da população não estar vacinando. Precisamos investir em divulgação e em busca ativa”, diz a médica.

Para o infectologista José David Urbaez Brito, a vacinação é uma ação de saúde pública e pilar no cuidado geral da população. “A partir da implementação dos programas de vacinação, houve um aumento na expectativa de vida de toda a população mundial”, afirma.

Segundo o médico, não há perigo quanto a segurança das vacinas.

“Antes de serem autorizadas para uso humano, as vacinas passam por uma série de etapas. Além disso, órgãos de vigilância sanitária de cada país ainda precisam aprovar as imunizações. No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) segue uma série de critérios para garantir a eficácia da vacina e a segurança da população.

 

Vacinação contra Covid-19

 

Vacinação contra Covid-19 no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Vacinação contra Covid-19 no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

No DF ainda há uma boa parcela da população que não completou o ciclo de três vacinas contra Covid-19. E isso tem preocupado os infectologistas. De acordo com a médica Ana Helena Germóglio, as pessoas ainda acham que a vacina não é necessária.

“Nós já estamos vivendo uma espécie de quarta onda da Covid no DF, e muita gente nem tomou a terceira dose. Fora as pessoas que já podem tomar a quarta dose da vacina e nem sabem. Tem gente que esquece, que não dá muita importância. Mas isso é um erro”, diz a médica.

 

Em Brasíliaquem tem 50 anos ou mais pode tomar a 4ª dose da vacina contra Covid-19. Além disso, adolescentes entre 12 e 17 anos já podem fazer a dose de reforço. A vacina está disponível para a população a partir de 5 anos de idade.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler