Tarifa antiga será mantida por um mês para quem tem vale-transporte recarregado, diz GDF

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Carolina Cruz, G1 DF

Ônibus na Rodoviária do Plano Piloto começam a circular com tarifa reajustada — Foto: G1/Carolina CruzÔnibus na Rodoviária do Plano Piloto começam a circular com tarifa reajustada — Foto: G1/Carolina Cruz

Ônibus na Rodoviária do Plano Piloto começam a circular com tarifa reajustada — Foto: G1/Carolina Cruz

A norma, que abre uma exceção para funcionários que recebem o benefício de seus empregadores, foi confirmada pela Semob neste domingo (12).

“Nos cartões de vale-transporte com créditos já adquiridos será debitada a tarifa antiga até 12/02/2020”, informou a pasta.

A regra só vale para quem recebe o benefício recarregado diretamente pela empresa por meio do cartão do Sistema de Bilhetagem Automática (SBA). Já os cartões de Bilhete Único custeados pelo próprio cidadão serão cobrados com o valor da tarifa nova, mais cara.

Com o aumento, os valores das passagens passam a ser os seguintes:

  • Circular interna: de R$ 2,50 para R$ 2,75
  • Ligações curtas: de R$ 3,50 para R$ 3,85
  • Metrô/Longas/Integração: de R$ 5 para R$ 5,50

Justificativa

Valter Casimiro, secretário de Transporte e Mobilidade, anuncia reajuste nas passagens  — Foto: Renato Araujo/Agência BrasíliaValter Casimiro, secretário de Transporte e Mobilidade, anuncia reajuste nas passagens  — Foto: Renato Araujo/Agência Brasília

Valter Casimiro, secretário de Transporte e Mobilidade, anuncia reajuste nas passagens — Foto: Renato Araujo/Agência Brasília

No dia em que o governo anunciou o aumento, na última quinta-feira (9), o secretário de Mobilidade, Valter Casimiro, disse que o reajuste foi necessário para compensar os gastos com a manutenção do sistema.

Segundo Casimiro, as despesas de custeio do transporte público cresceram 16,19% desde o último reajuste das tarifas, em 2017. Ele alegou que “apenas” 10% dessas “perdas” estão sendo transmitidas aos passageiros.

Ainda de acordo com o secretário, os subsídios pagos pelo governo chegaram a R$ 700 milhões em 2019. Desse total, R$ 540 milhões foram destinados à gratuidade oferecida a estudantes e pessoas com deficiência. Contudo, ele afirma que “não é isso [o passe livre] que gera a necessidade desse aumento”.

Proposta de anulação do reajuste

Fachada da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) — Foto: Marília Marques/G1Fachada da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) — Foto: Marília Marques/G1

Fachada da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF) — Foto: Marília Marques/G1

No mesmo dia em que o governo publicou o reajuste no DODF, o deputado distrital Fábio Felix (Psol) protocolou um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) com o objetivo de anular o aumento.

A proposta precisa ser analisada pela Câmara Legislativa e aprovada por maioria simples. A oposição ao governo na Casa apoiou o projeto e tenta acordo interno para votar a matéria ainda em janeiro, em sessão extraordinária.

Só quem pode convocar votação neste período é o presidente da Casa, Rafael Prudente (MDB).

De acordo com a assessoria de imprensa de Felix, a oposição vai acionar a Justiça caso não consiga apoio para votar a anulação do reajuste na Câmara antes da volta do recesso, prevista para 3 de fevereiro.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler