Uma viagem pelas Escrituras Sagradas No Salão Nobre do Palácio do Buriti, exposição com a história da Bíblia elaborada por leitura cultural está aberta ao público até sexta-feira (20)

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Uma viagem pelas Escrituras Sagradas

No Salão Nobre do Palácio do Buriti, exposição com a história da Bíblia elaborada por leitura cultural está aberta ao público até sexta-feira (20)

LÚCIO FLÁVIO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA
Fotos: Tony Oliveira / Agência Brasília

São tempos remotos. Pelo menos 2.500 anos. Foi quando a história de Deus começou a ser escrita por homens num processo de registro oral condensado naquele que é considerado o livro mais importante do cristianismo: a Bíblia Sagrada, cujo dia é celebrado no segundo domingo de dezembro em todo o Brasil. Pegando gancho na data e também no lançamento da pedra fundamental do Museu Nacional da Bíblia, que será brevemente construído na cidade, começa nesta quinta-feira (18), no Salão Nobre do Palácio do Buriti, a exposição itinerante Bíblia – dos Manuscritos aos Formatos Digitais. Inédita em Brasília, a mostra ficará aberta à visitação pública até sexta-feira (20), das 9h às 18h, e é um evento realizado em parceria entre o GDF – por meio da Unidade de Assuntos Religiosos – e a Sociedade Bíblica do Brasil.

“A mostra é uma prévia do que será o Museu da Bíblia, ofertando à sociedade de Brasília todo potencial cultural e museológico do livro sagrado”, destaca o coordenador da Unidade de Assuntos Religiosos do GDF, Kildare Araújo Meira.  “É uma exposição que vale a pena ser vista. Também é uma oportunidade de a população ter acesso ao Palácio do Buriti, já que o espaço será aberto à comunidade. O governador Ibaneis tem essa marca, a de que o seu governo é feito para o povo.”

Viagem cultural

São mais de são 100 objetos, pertencentes ao acervo do Museu da Bíblia de Barueri, inaugurado em dezembro de 2003. Os itens fazem parte de uma coleção destinada a percorrer todo país. Antes de vir para a capital, a exposição passou por São Paulo e por Goianésia (GO), onde foi vista por mais de 3 mil pessoas. O público poderá ver bíblias em braile, manuscritos, pergaminhos, versões em diversos idiomas dos evangelhos, banners educativos, a trajetória do livro sagrado no Brasil, a origem das primeiras línguas que publicaram as escrituras, enfim, a história da primeira tradução do documento religioso em egípcio, que data de pelo menos, 1.500 anos. Um dos destaques será a exibição de um aparelho que, carregado a pilha ou a energia solar, é utilizado para levar as narrativas bíblicas às comunidades destituídas de luz elétrica.

Um dos destaques da mostra é este aparelho, que, funcionando a pilha ou a energia solar, leva as narrativas bíblicas às comunidades que não têm luz elétrica | Fotos: Tony Oliveira

“É uma exposição que explora os cheiros bíblicos, a arquitetura bíblica da Arca de Noé, apresentando o livro sagrado como um dos pilares fundamentais da nossa sociedade e da nossa cultura”, frisa Kildare. “Será uma viagem pelo universo da Bíblia por meio de um viés cultural. Tudo por meio dos vários formatos da publicação surgidos desde a época dos manuscritos, até os formatos digitais, bem como também trabalhos sociais que a Sociedade Bíblica apresenta em todo o país por meio da difusão da Bíblia”, explica Bruno Silva, promotor institucional da Sociedade Bíblica do Brasil em Brasília.

Valor histórico

Com textos rascunhados em folhas de papiro milenares, a Bíblia é o livro mais vendido da humanidade, tendo sido escrita por 40 pessoas entre 1500 a.C. e 450 a.C. O folclore em torno dos evangelhos dá conta de que seus autores eram homens iluminados, tocados pela mão divina. Segundo estudiosos, as tramas e personagens nasceram a partir de lendas surgidas na chamada Terra de Canaã, onde hoje se localizam Líbano, Israel, Palestina e parte da Jordânia, Egito e Síria.

Até a invenção da imprensa, em 1455, os exemplares da Bíblia eram multiplicados por copistas, uma imagem bem descrita pelo escritor italiano Umberto Eco no livro O Nome da Rosa. No século 16, o teólogo germânico Martinho Lutero fez a primeira tradução do texto bíblico para uma língua moderna , direto do hebraico e do grego.

“O valor histórico da Bíblia se dá pela contribuição que ela trouxe na formação e consolidação da sociedade ocidental”, ressalta Bruno Silva. “É um livro que traz um tipo de identidade histórica, cultural e ética para a sociedade brasileira, sociedade ocidental e até mundial.”

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler