Terracap propõe acordo para minimizar corte de 23 benefícios

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Terracap propõe acordo para minimizar corte de 23 benefícios

A categoria marcou nova reunião para sexta-feira (08/11/2019) para decidir se deflagram ou não uma greve geral

Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap) propôs, na tarde desta terça-feira (05/11/2019), um Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) com objetivo de reverter a suspensão de 23 benefícios anunciados após o vencimento do antigo ACT, na quinta-feira (31/10/2019). A proposta da Terracap tem validade de dois anos.

O possível corte gerou indicativo de greve nesta terça, quando funcionários da empresa se reuniram em assembleia a fim de decidir que medida tomar. No total, 490 empregados seriam afetados, de acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores e Empregados da Administração Direta, Fundacional, das Autarquias, Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista do Distrito Federal (Sindser), André Luiz Conceição.

A categoria questionou junto à Terracap 12 pontos do acordo, dos quais sete foram aceitos e outros apenas em parte. Os funcionários pedem, por exemplo, a manutenção da jornada reduzida de seis horas, que a empresa aceitou manter até outubro do ano que vem.

Os empregados marcaram nova reunião para sexta-feira (08/11/2019). A Associação dos Advogados da Terracap já entrou com um pedido na Justiça contra os 23 cortes.

Mediação

Até esta terça, a Terracap e os servidores não haviam entrado em um acordo junto ao Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10). Foram duas reuniões com mediação da presidente do tribunal, a desembargadora Maria Regina Machado Guimarães.

Na Decisão nº 562, a Diretoria Colegiada disciplinou os procedimentos da Gerência de Pessoal (Gepes) diante da perda do prazo de vigência do ACT. Os diretores também determinaram a atualização da concessão de férias e vale-transporte.

A Gepes foi orientada a eliminar os seguintes benefícios: gratificação de qualificação, incorporação de funções de confiança, adicional de tempo de serviço, de insalubridade, participação nos resultados, ajuda de custo, auxílio-alimentação, programa de educação, curso de línguas, contrapartida para plano de saúde, complementação para auxílio-doença, auxílio-funeral, auxílio-creche, seguro de vida em grupo, garantia de emprego, jornada de trabalho reduzida, conversão em pecúnia da licença administrativa remunerada, licença remunerada para qualificação, licença-prêmio remunerada, licença não remunerada, abono assiduidade, liberação para estágio obrigatório e liberação para dirigentes sindicais.

Orientações

Em nota, a diretoria da Terracap informou que, desde maio de 2019, participou de mais de 10 reuniões com a Comissão de Negociação escolhida pelos empregados. Segundo o órgão, as partes evoluíram para uma proposta de consenso “que atendia a essas necessidades, preservava relevantes direitos dos trabalhadores, observava orientações da área técnica do Tribunal de Contas do DF (TCDF) e adequava o ACT às alterações legislativas, especialmente na CLT [Consolidação das Leis do Trabalho]”.

Entretanto, conforme a estatal, “de forma inesperada, após esse longo período de negociação, a diretoria foi surpreendida com manifestação do Sindser, em 10 de outubro de 2019, que retirou a própria proposta até então formulada pelo sindicato e apresentou nova pauta de reivindicações, entre elas: manutenção da incorporação, inclusive da proporcional já extinta no atual ACT e ultratividade do futuro ACT, que contrariam artigos da CLT”.

Você também pode querer ler