Professora e PM batem boca na frente de alunos em escola militarizada no DF

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa analisa denúncia.

Uma discussão entre uma professora e um policial militar acabou em denúncia no Centro Educacional 7 de Ceilândia, no Distrito Federal, nesta terça-feira (12). O caso foi levado à Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF.

Segundo testemunhas, um dos PMs que atua na unidade entrou na sala onde a professora dava aula e começou a entregar advertências para alguns estudantes. A professora reclamou e mandou o militar sair, mas ele não atendeu.

Veja parte do diálogo:

Professora: Eu falei para ele que a turma é minha, a sala é minha enquanto eu estiver aqui dentro. Ele está sorrindo, fazendo chacotas, sendo irônico. Então, por favor…e pedi para ele sair da sala.

PM: Não, a senhora mandou eu sair da sala.

Professora: Sim, eu mandei você sair da sala.

PM: A senhora não tem autoridade para mandar eu sair da sala.

Acionada pelo G1, a Secretaria de Educação do DF informou que, “em relação aos acontecimentos ocorridos nesta segunda-feira (12), no CED 7 de Ceilândia, irá apurar os fatos para então se manifestar”.

Já a Polícia Militar disse que “todas as partes serão ouvidas e os fatos serão analisados pela corporação para esclarecer o ocorrido no Centro Educacional 07”.

Centro Educacional 07, em Ceilândia, no DF — Foto: Reprodução/TV GloboCentro Educacional 07, em Ceilândia, no DF — Foto: Reprodução/TV Globo

Centro Educacional 07, em Ceilândia, no DF — Foto: Reprodução/TV Globo

Professora: Alguém da direção, por favor, pode vir na sala do 9º D? O sargento Policarpo está me desautorizando na frente da turma toda. Dizendo que eu não tenho autoridade sobre esta sala.

Ele entrou para fazer advertências indevidas durante o meu período de aulas. Então, esse senhor está andando na minha sala, acabou de me desautorizar perante a minha turma e isso é inadmissível.

Eu falei para ele que a turma é minha, a sala é minha enquanto eu estiver aqui dentro. Ele está sorrindo, fazendo chacotas, sendo irônico. Então, por favor…e pedi para ele sair da sala.

PM: Não, a senhora mandou eu sair da sala.

Professora: Sim, eu mandei você sair da sala.

PM: A senhora não tem autoridade para mandar eu sair da sala.

Professora: Eu tenho autoridade sim, a sala de aula é minha, eu tenho autoridade senhor Policarpo.

Repercussão

Após a discussão, a Comissão de Direitos Humanos da CLDF registrou uma denúncia sobre o caso. Segundo o presidente da comissão, deputado distrital Fábio Felix (Psol), a ocorrência mostra que “policiais estão sendo destinados para as escolas do DF sem qualquer preparo para atuação em ambiente escolar”.

O Sindicato dos Professores do DF também divulgou nota. Segundo a entidade, “é lamentável o que aconteceu no CED 07 de Ceilândia dentro de uma sala de aula. Uma violência extrema com a professora na presença dos alunos no seu local de trabalho”.

Escolas militarizadas

CED 7 de Ceilândia iniciou o ano letivo com a gestão compartilhada com a PM — Foto: Victor Gomes / G1DFCED 7 de Ceilândia iniciou o ano letivo com a gestão compartilhada com a PM — Foto: Victor Gomes / G1DF

CED 7 de Ceilândia iniciou o ano letivo com a gestão compartilhada com a PM — Foto: Victor Gomes / G1DF

Desde o início deste ano, 12 escolas públicas do DF adotaram a gestão compartilhada com a Polícia Militar. Segundo a proposta do governo local, há uma divisão de funções entre militares e profissionais da educação.

São atividades desenvolvidas pelos militares:

  • Gestão disciplinar (supervisão do comportamento dos alunos)
  • Coordenar algumas atividades extracurriculares (como cursos e palestras)
  • Ações disciplinares voltadas à formação cívica, moral e ética

São atividades dos servidores da Secretaria de Educação:

  • Gestão administrativa da escola (financeiro e institucional)
  • Gestão pedagógica (conteúdo das aulas, provas e projetos)
  • Cumprimento do Projeto Político-Pedagógico, conforme Leis de Diretrizes Educacionais

O plano do GDF é implementar o projeto em 40 escolas até 2020. A Secretaria de Educação e a Secretaria de Segurança pública selecionam as escolas com base nos índices de vulnerabilidade da região.

Em seguida, a escola informa se adere, podendo ou não fazer debates e votação com a comunidade escolar para tomar a decisão. Desde o início do programa, duas escolas rejeitaram o modelo: o Gisno e o CEF 407, em Samambaia. Na segunda, no entanto, houve uma nova votação e a gestão compartilhada foi implementada.

Com adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler