Paz nas rodovias do DER durante as festas de fim de ano

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Paz nas rodovias do DER durante as festas de fim de ano

Departamento de Estradas de Rodagem não registrou morte entre o Natal e Ano Novo

IAN FERRAZ, DA AGÊNCIA BRASÍLIA
Arquivo / Agência Brasília

Paz nas estradas. Assim pode ser definido o trânsito dos condutores durante as festividades de Natal e Ano Novo nas rodovias administradas pelo Departamento de Estradas de Rodagem do DF (DER). No período entre as comemorações de fim de ano não houve registro de mortes nas vias.

O DER controla aproximadamente dois mil quilômetros de rodovias distritais onde milhares de veículos trafegam diariamente. A sinalização adequada bem como as boas condições da malha viária e a consciência dos condutores colaboraram para que a marca chegasse a zero.

“Esse é o reflexo das campanhas de fiscalização, das obras, da sinalização e da otimização da engenharia do tráfego. Mostra que o nosso sistema rodoviário tem funcionado bem”, destaca o diretor-geral do DER, Fauzi Nacfur.

Arquivo / Agência Brasília

Parte desse trabalho é fruto das manutenções e construções feitas pela empresa. Em 2019, o DER bateu o recorde de obras e manutenção nas rodovias distritais e vias urbanas por meio de parcerias: foram 44, entre diretas e contratadas. Este número corresponde a 20% a mais do que em 2018, e em valores representa um montante de R$ 328,3 milhões.

Para 2020, o planejamento é bater novo recorde, dando início a 50 novas obras. O valor total estimado para executar todos estes serviços chega a aproximadamente R$ 2 bilhões. Entre eles o da construção de ciclovia e calçada na DF-459, a restauração do pavimento asfáltico e adequações das vias marginais do Pistão Sul (DF-001) e a construção da ponte e canal em concreto sobre o Córrego Samambaia (DF-079).

Brasília Vida Segura

A capital tem se destacado como referência em segurança viária no país. Por meio do programa Brasília Vida Segura, integrado por órgãos e secretarias de governo, foi possível reduzir o número de óbitos em acidentes viários graças a uma sinalização adequada aliada a um plano de educação de motoristas e pedestres, a rodovias estruturadas e a um socorro ágil de vítimas de acidentes.

Brasília está entre as capitais brasileiras prestes a atingir a meta estabelecida pela Década de Ação pela Segurança no Trânsito (2011-2020). A proposta da Organização das Nações Unidas (ONU) é reduzir em 50% o número de óbitos causados por acidentes viários. Isso confirmará a capital do Brasil no ranking do trânsito seguro. O estudo leva em consideração a projeção do número de casos, crescentes no início da década.

Arquivo / Agência Brasília

Depois de atingir o ápice do período, com 465 óbitos no trânsito em 2011, Brasília vem registrando oscilações no número desse tipo de ocorrência – sempre, porém, em alta. Só em 2017, início do Brasília Vida Segura, é que se chegou a um patamar abaixo de 300, com 254 ocorrências de morte em acidentes. Em 2018 foram registradas 279, número que, em 2019, caiu ainda mais, chegando a 247 até o final de novembro. A meta é fechar 2020 abaixo de 250, alcançado a proposta do órgão intergovernamental.

O Brasília Vida Segura tem foco na atuação da engenharia e segurança viárias. Amparado por pesquisas e estudos acadêmicos científicos, o programa faz parte de uma iniciativa global com base na cooperação entre os setores público e privado.

O método do programa é aplicado em seis passos. Primeiro, faz-se uma análise dos dados, identificando as vias e rodovias com maior registro de acidentes com óbitos. Em seguida, é apontado o perfil das ocorrências, se envolvem condutores ou pedestres. O próximo passo é fazer uma visita aos locais para identificar a causa da frequência de acidentes.

Um plano de ação é, então, elaborado com programas e projetos que na sequência serão executados. Tudo é acompanhado pelos órgãos e secretarias do GDF envolvidos no Brasília Vida Segura. O último passo é controlar os resultados dos passos anteriores, o que é feito pela comissão de segurança viária.

Você também pode querer ler