Justiça do DF aceita denúncia contra professor que pediu redação sobre ‘sexo oral e anal’ a alunos

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Gabriel Luiz, TV Globo

Professor do DF usou quadro branco para escrever expressões de sexo explícito — Foto: ReproduçãoProfessor do DF usou quadro branco para escrever expressões de sexo explícito — Foto: Reprodução

Professor do DF usou quadro branco para escrever expressões de sexo explícito — Foto: Reprodução

O juiz Felipe de Oliveira Kersten, da 4ª Vara Criminal de Brasília, aceitou denúncia contra o professor de português Wendel Santana. Em novembro do ano passado, ele se envolveu em uma polêmica após pedir uma redação sobre “sexo oral e anal” a estudantes do 6º ano de uma escola pública da capital.

O professor, que atuava como substituto da Secretaria de Educação, foi denunciado pelo crime de submeter jovens a vexame ou a constrangimento. Ele passou a ser investigado após escrever palavras como “boquete” e “69” durante aula.

Apesar de a denúncia ser aceita, o professor não deve ser condenado. Isso porque o juiz sugeriu a realização de uma audiência de suspensão condicional do processo – medida que livra o acusado de punição desde que sejam cumpridos alguns requisitos (entenda abaixo).

A denúncia criminal foi apresentada pelo Ministério Público do DF (MPDFT) na última quarta-feira (22) e aceita nesta terça (28). Até a última atualização desta reportagem, o G1 não conseguiu contato com a defesa do professor.

À época das investigações, ele disse que apenas propôs um exercício de linguagem e disse que a ideia era mostrar a diferença entre maneiras formais e informais de falar sobre sexo.

A suspensão condicional do processo, à qual o professor deve ser submetido, é aplicada em crimes de menor potencial ofensivo, em que o réu não tem antecedentes criminais, e a pena em uma eventual condenação não chega a um ano de prisão.

Neste caso, o juiz pode “suspender o processo” da pessoa por até quatro anos. Isso significa que, nesse período, o réu não é visto como culpado e nem fica com a ficha judicial suja.

Entretanto, o acordo só vale se forem respeitadas algumas condições impostas, como proibição de frequentar certos lugares ou de sair do DF. Nesse período, o acusado também não pode ser denunciado por qualquer outro crime.

Ao final do prazo dado pelo juiz, o processo se extingue e é arquivado. O réu, por sua vez, continua primário e sem antecedentes criminais. No caso do professor, a data da audiência para definir se o benefício será concedido ainda não foi marcada.

Relembre o caso

Professor Wendel Santana tinha contrato temporário com a Secretaria de Educação até o fim de 2019 — Foto: TV Globo/ReproduçãoProfessor Wendel Santana tinha contrato temporário com a Secretaria de Educação até o fim de 2019 — Foto: TV Globo/Reprodução

Professor Wendel Santana tinha contrato temporário com a Secretaria de Educação até o fim de 2019 — Foto: TV Globo/Reprodução

O professor foi afastado no dia 13 de novembro de 2019, após o caso chegar ao conhecimento da Secretaria de Educação do DF. Segundo a pasta, ele “agiu por conta própria” e não seguiu o plano de aulas aprovado pela secretaria.

Além de pedir a redação sobre sexo e usar palavras de sexo explícito durante a aula, Wendel ainda desenhou uma posição sexual no quadro. O caso chegou à Polícia Civil depois que a direção da escola e pais de alunos registraram ocorrência.

À época da polêmica, o professor disse que não recebeu treinamento adequado ou qualquer instrução por parte da escola.

“A linguagem que eles trazem pra mim é uma linguagem totalmente informal. Foi isso que eu vi. O exercício que eu propus foi trazer essa informação de linguagem informal e adaptá-la para uma linguagem formal, que é a linguagem da educação de fato”, afirmou Wendel.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler