GDF define regras para tratamento de jovens LGBTQI em unidades de internação

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Carolina Cruz, G1 DF

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Coração de escultura em homenagem a Brasília no centro da capital ganha adesivo com as cores da bandeira LGBT — Foto: Luiza Garonce/G1Coração de escultura em homenagem a Brasília no centro da capital ganha adesivo com as cores da bandeira LGBT — Foto: Luiza Garonce/G1

Coração de escultura em homenagem a Brasília no centro da capital ganha adesivo com as cores da bandeira LGBT — Foto: Luiza Garonce/G1

A norma assegura aos internos o direito ao uso do nome social, escolha do uniforme de acordo com o gênero com o qual se identificam, e revista por agente socioeducativo do sexo feminino.

Além disso, os internos devem ficar em unidades que correspondem à identidade de gênero e os servidores estão proibidos de cometer qualquer ato de preconceito (veja detalhes abaixo).

As regras entraram em vigor nesta segunda. Segundo o secretário de Justiça e Cidadania, Gustavo Rocha, a publicação da portaria é importante para normatizar as medidas.

“O atendimento digno e respeitoso já ocorria nas unidades, que buscavam assegurar a esses adolescentes o direito de serem chamados pelo nome social e o reconhecimento da sua identidade de gênero. Mas, agora, isso foi transformado em regra”.

O que muda

Fachada da Unidade de Internação de Santa Maria, no Distrito Federal — Foto: Pedro Ventura/GDFFachada da Unidade de Internação de Santa Maria, no Distrito Federal — Foto: Pedro Ventura/GDF

Fachada da Unidade de Internação de Santa Maria, no Distrito Federal — Foto: Pedro Ventura/GDF

  • Identificação

Segundo a portaria, a identificação do interno como travesti ou transexual deverá ser feita por autodeclaração, sem necessidade de qualquer laudo médico ou psicológico. A norma também proíbe qualquer atendimento médico com o objetivo de “patologização” da identidade de gênero ou da orientação sexual, assim como tratamentos de conversão.

Ainda de acordo com o texto, a autodeclaração pode ser feita a qualquer momento, por meio de solicitação por escrito. A portaria indica ainda que os servidores devem solicitar novos documentos para adequação ao nome social do jovem.

  • Transição de gênero

Segundo a norma, jovens transexuais maiores de 18 anos terão garantido o direito ao tratamento hormonal e acompanhamento de saúde específico. Já os menores terão acesso a acompanhamento de seus processos de transição de gênero na rede pública de saúde.

  • Alocação nas unidades

A portaria determina que as adolescentes trans ou travestis com identidade de gênero feminina deverão ser encaminhadas às unidades de internação femininas. Os internos trans com identidade de gênero para o sexo masculino também devem permanecer em unidades femininas, “considerando o potencial risco de violência de gênero”.

O trecho destaca que essas medidas não serão aplicadas caso haja decisão judicial contrária. Segundo a norma, quando o interno trans discordar em cumprir pena em unidade feminina, “deverá ser realizado estudo por equipe multidisciplinar para avaliar possibilidade de cumprimento em unidades masculinas, mantendo a possibilidade de retorno às unidades femininas”.

Em ambos os casos, a norma cita que o cumprimento de medida socioeducativa por adolescentes ou jovens LGBTQI “não deverá ocorrer em espaços segregados, salvo em justificadas situações de risco de violências, avaliadas por equipe multidisciplinar”.

  • Roupas

Segundo a norma o interno autodeclarado trans pode decidir como deve se vestir. A possibilidade inclui “roupas íntimas, e acessórios (bojo, binder, etc.), conforme sua identidade de gênero”.

  • Revista

A nova norma determina que as revistas aos internos trans, tanto do sexo masculino quanto do feminino, devem ser feitas por agentes socioeducativos do sexo feminino, em ambiente reservado.

  • Sem preconceito

Segundo a portaria, é “expressamente proibida” qualquer forma de discriminação por parte de servidores do sistema socioeducativo ou de terceiros por conta da orientação sexual ou a identidade de gênero dos adolescentes e jovens atendidos.

O texto define como LGBTfobia a “rejeição, o medo, o preconceito, a discriminação, a aversão ou o ódio, e a violência de conteúdo individual ou coletivo, contra lésbicas, gays, bissexuais, mulheres transexuais/travestis e homens trans”.

“É expressamente proibida toda e qualquer ação para criar, manter ou reforçar preconceitos, estigmas, estereótipos e/ou discriminação contra a população LGBTI nas unidades do sistema socioeducativo.”

O trecho diz ainda que, em caso de descumprimento, o servidor pode responder nas esferas administrativa, cível e criminal. A portaria prevê que a Sejus garanta “formação inicial e continuada aos profissionais das unidades socioeducativas, considerando a perspectiva dos direitos humanos e os princípios de igualdade e não discriminação”.

Você também pode querer ler