Falta gestão nas administrações regionais para executar obras. Nem 1 real sequer. Metade das administrações não investiu em 2019

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Nem 1 real sequer. Metade das administrações não investiu em 2019

Nem 1 real sequer. Metade das administrações não investiu em 2019

Entre janeiro e 9 de setembro, os aportes destinados a melhorias das RAs somaram R$ 880 mil. Dessas, 15 aparecem com zero de aplicações

Michael Melo/MetrópolesMICHAEL MELO/METRÓPOLES

etade das administrações regionais não investiu um centavo sequer em ações que levem melhorias à vida da população. Das 31 RAs espalhadas pelo Distrito Federal, 15 não aportaram recursos entre 1º de janeiro e 9 de setembro de 2019.

Mesmo carente de diversos serviços, as unidades de Vicente Pires, Gama, Sobradinho I, Sobradinho II, Planaltina, Samambaia, Santa Maria, São Sebastião, Recanto das Emas, Candangolândia, Riacho Fundo II, Park Way, Jardim Botânico, Itapoã e o Setor de Indústria e Abastecimento (SIA) estão pouco mais de oito meses sem destinar verbas para a realização de reparos em calçadas, operação tapa-buraco, construção de acessibilidade para pessoas com deficiência, pequenas intervenções no trânsito, entre outras.

As informações estão contempladas no Sistema Integrado de Gestão Governamental (Siggo). O estudo levou em conta apenas valores liquidados, ou seja, aqueles efetivamente pagos. As despesas das administrações são divididas da seguinte forma: folha de pagamento, manutenção da cidade e investimentos em novos equipamentos públicos.

Investimentos diretos feitos por cada administração regional do DF, entre 1º de janeiro de 9 de setembro de 2019:

Menos de R$ 1 milhão

Nos primeiros meses da gestão de Ibaneis Rocha (MDB), os administradores regionais investiram, ao todo, R$ 880.422,55. Para uma unidade da Federação com 5.779.999 quilômetros quadrados, empenhar menos de R$ 1 milhão em desenvolvimento é quase irrisório.

Segundo o GDF, tais problemas estruturais identificados nas cidades têm sido resolvidos por meio do programa GDF Presente. Geridos pela Secretaria de Governo, as demandas são atendidas com uso de mão de obra da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), Companhia Energética de Brasília (Caesb), Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb), dentre outras.

Embora seja uma das menores regiões administrativas, a Fercal foi a que mais aplicou verbas de 1º a 9 de setembro deste ano: R$ 365.500,45. O curioso é que o dispêndio na região com 8.585 moradores é bem maior do que a maior e mais populosa cidade do DF: com 432.927 habitantes, Ceilândia aplicou somente R$ 49.782,42 no período analisado.

Na segunda posição aparece Brazlândia, com gastos de R$ 176.646,80. Na sequência, Águas Claras destinou R$ 171.456,35 em melhorias. Já o Cruzeiro injetou R$ 10.108,99. O ranking é completado por Taguatinga e Guará, que desembolsaram R$ 3.227,00 cada uma.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler