Falta de regulamentação de veículos compartilhados compromete segurança

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Falta de regulamentação de veículos compartilhados compromete segurança

Projeto que define regras está em tramitação na Câmara Legislativa


postado em 18/11/2019 06:00

Marcelo Roseira usa bicicletas compartilhadas para chegar ao trabalho no Setor de Embaixadas Norte(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

Há seis anos, meios de locomoção compartilhados começaram a fazer parte do cenário do Distrito Federal. Hoje, dezenas de bicicletas e patinetes elétricos ficam à disposição dos usuários nas ruas do Plano Piloto e de Águas Claras. Entretanto, a falta de regulamentação e fiscalização para o uso desse tipo de transporte traz risco aos condutores e pedestres. A exposição aos acidentes e a falta de equipamentos de segurança, segundo especialistas, precisam estar na pauta do Executivo.

No caso das bicicletas, o usuário pode contar com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB). As normas estabelecem que os equipamentos devem ter buzina, espelho, sinalização. Entretanto, não exigem que o ciclista use capacete. Não há regras para o uso do patinete elétrico. As empresas que alugam esse tipo de equipamento apenas divulgam dicas de segurança para os clientes, como idade mínima de 18 anos para locação e outras recomendações (veja Prevenção).
Em junho, o Governo do Distrito Federal (GDF) encaminhou à Câmara Legislativa um projeto que insere os patinetes na lei que delimita a política de mobilidade urbana cicloviária da capital. A ideia é criar diretrizes para o uso deles, como a exigência de equipamentos de segurança. A proposta tramita nas Comissões de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) e de Transporte e Mobilidade Urbana (CTMU) e nem sequer chegou a Plenário.
Especialista em engenharia de transporte da Universidade de Brasília (UnB), Pastor Willy Gonzales Taco explica que, além de estabelecer as regras de segurança e fiscalização, o governo precisa promover campanhas educativas sobre esse tipo de transporte. “Quando você tira habilitação, o Detran debate sobre conscientização. Alguém precisa dar ajuda para as pessoas saberem o que significa usar essa tecnologia. Tudo isso partindo de um ponto de vista educativo e preventivo”, destaca.
De acordo com o estudioso, os usuários devem compreender que, principalmente, os patinetes elétricos não são brinquedos. “Agora, você tem esses veículos entrando no espaço comum das pessoas, públicos. É necessário ter a consciência de que estão se deslocando junto a outras pessoas, veículos e ciclistas”, afirma. Ele alerta que é preciso definir uma série de critérios pessoais antes de começar a circular.
“O usuário precisa ter uma percepção de risco e saber se vai conseguir dominar todas situações, como uma batida ou um desvio. Além disso, é necessário que se tenha um plano de trajeto e não improvisar, porque isso gera imprevistos”, aconselha. Questões como clima, iluminação, conhecimento sobre as condições das vias e do fluxo de veículos também devem ser observadas, segundo o especialista.

Apenas orientações

Em maio deste ano, o Departamento de Trânsito (Detran), em conjunto com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) e a Polícia Militar, elaborou uma cartilha de orientação para os usuários de patinetes. Porém, para o diretor de policiamento e fiscalização de trânsito do Detran, Francisco Saraiva, a falta de regulamentação deixa os agentes de mãos atadas na tratativa desse tipo de transporte.
“No caso dos patinetes, não temos muito o que fazer. A partir do momento em que criarem uma lei específica, o Detran vai saber qual é o papel dele”, ressalta. De acordo com Francisco, atualmente, o órgão consegue apenas passar orientações ao usuário, como fez com a cartilha. O material recomenda o uso de capacete e que o usuário evite circular em vias públicas e respeite o espaço de pedestres.
No caso das bicicletas, apesar de existirem normas para o uso, Saraiva afirma que ainda faltam orientação e campanhas de educação para os motoristas. Ele acredita que o tipo de ocorrência desse segmento tende a crescer no Distrito Federal. “Brasília é a segunda cidade do país com maior número de ciclovias. Temos a fiscalização, porém, não temos algo específico. Nossas ações acontecem mais no sentido de verificar as ocorrências”, esclarece.

Uso

Enquanto os trâmites de fiscalização e regulamentação são debatidos, a população adere cada vez mais a esses transportes compartilhados. As empresas que fornecem os veículos aos brasilienses funcionam por meio de aplicativo de celular e cobram taxas pelo uso.
O auxiliar de manutenção Marcelo Roseira Araújo, 25 anos, usa as bicicletas compartilhadas para chegar ao trabalho. Morador de Luziânia (GO), ele desembarca diariamente na Rodoviária do Plano Piloto e opta por usar esse tipo de transporte para chegar ao trabalho, no Setor de Embaixadas Norte. “Nem sempre há ônibus disponível. Quando vejo que vai demorar a passar, pego a bicicleta e vou direto. No caminho de volta, faço a mesma coisa”, ressalta.
Pedro Barbosa e Alessandra Ferraz defendem uso de equipamento de segurança apenas em locais urbanos
Marcelo não anda com equipamentos de segurança, mas reconhece a necessidade: “O correto é que a gente use para prevenir acidentes graves. Acredito que, se tivesse mais fiscalização, as pessoas teriam mais atenção quanto a isso”, destaca. De acordo com ele, o serviço ajuda muito e o ideal é  que seja incentivado. “Precisamos de melhoria e concorrência. Com isso, vai melhorar ainda mais”, diz.
Há quem use os transportes compartilhados por lazer. O bancário Pedro Barbosa Moris, 42, saiu com a namorada, a autônoma Alessandra Ferraz Peixoto Tavares, 30, para experimentar os patinetes elétricos no Parque da Cidade. “Sempre via muita gente usando e tive a curiosidade. Baixamos o aplicativo e fomos usar. Vi que, na verdade, é uma alternativa muito interessante”, afirma Pedro.
O casal considera que o uso de equipamento de segurança é importante, porém, não precisa ser exigido para quem usa o dispositivo em áreas de diversão, como o Parque. “É importante para quem usa no trânsito, mas esse espaço é feito para isso”, diz Alessandra.

Para saber mais

Exemplo paulista
Em outras unidades da Federação, os patinetes elétricos passaram por regulamentação. Em São Paulo, ficou estabelecido o uso obrigatório de capacete. Além disso, a norma proíbe circulação desses veículos nas calçadas. Eles podem andar apenas nas ciclovias, ciclofaixas, ciclorrotas ou em ruas com limite de velocidade de até 40 km/h. O condutor que desrespeitar a legislação poderá responder civil, penal e administrativamente. Quem descumprir as regras também pode pagar multa que varia de R$ 100 e R$ 20 mil.

Prevenção

» Andar apenas em locais adequados, como ciclovias e ciclofaixas;
» Mesmo não sendo obrigatório, usar equipamento de proteção
individual como capacetes, luvas, joelheiras e cotoveleiras;
» Crianças devem usar os equipamentos apenas com supervisão de um adulto;
» Não andar com patinete em velocidades superiores a 20 km/h;
» Manter distância dos pedestres;
» Caso consuma álcool, não usar os veículos.
Adaptações: Alexandre Torres
Guará news

Você também pode querer ler