Detran recomenda cuidados e atenção nestes períodos de chuva. Motocistas são condutores mais vulneráveis

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Segundo Detran, motocistas são condutores mais vulneráveis na chuva

Departamento de Trânsito (Detran) emite alerta para que motoristas redobrem a atenção durante o período chuvoso. Segundo levantamento da autarquia, os motociclistas são os condutores mais vulneráveis nesta época do ano


AG Agatha Gonzaga MF Matheus Ferrari
O motoboy Alisson toma mais cuidados nas chuvas, época em que caiu algumas vezes da moto: ”Se não se proteger, vai pro chão”(foto: Agatha Gonzaga/Esp. CB/D.A Press )
“A pista estava com muito óleo. Eu via que ela brilhava, e eu estava muito devagar, mas o carro aquaplanou e, para não invadir a via contrária e bater de frente com outro carro, subi no meio-fio e bati na cerca do Parque Olhos D’Água.” O relato da maquiadora Júlia Martins de Paula, 24 anos, reforça os riscos de dirigir na época das chuvas. Por causa disso, o Departamento de Trânsito (Detran) emitiu uma recomendação aos brasilienses a fim de redobrar a atenção ao volante durante o período. As primeiras precipitações costumam ser perigosas para os motoristas, pois a mistura da água com resíduos de óleo e fuligem acumulados no asfalto durante a seca deixa as pistas escorregadias.

Além disso, infrações comuns em tempos de estiagem, como excesso de velocidade e uso de celular na direção, têm consequências ainda mais graves quando se tem água nas vias. A baixa visibilidade e a falta de aderência entre pneu e asfalto são fatores determinantes para as batidas. Paulo Cesar Marques, professor de Engenharia de Tráfego na Universidade de Brasília (UnB), alerta para os perigos. “Com a chuva, a percepção de risco fica reduzida, porque as pessoas acham que nada vai acontecer”, explica.

Em época de pistas molhadas, os motociclistas são os mais vulneráveis. De acordo com o Detran, no primeiro semestre do ano, 69% das fatalidades em acidentes com moto envolviam esse tipo de condutor. Pelo levantamento, das 64 vítimas mortas, 44 guiavam a motocicleta e 20 eram pedestres ou estavam em outros veículos.

O estudante Mateus Negrelli, 24 anos, caiu da moto pela única vez exatamente no período chuvoso. Para ele, além da responsabilidade dos condutores de veículos maiores, é preciso que o motociclista esteja atento. “Isso é fato. Basta começarem as chuvas para ocorrerem os acidentes. E são erros das duas partes. Dos motociclistas, que, geralmente, não fazem nenhuma revisão na moto, não verificam freios, pneus, nada. E dos motoristas de carros, que não respeitam o motociclista, não dão seta”, reclama o jovem.

Para o motoboy Alisson Sabino, 24, não tem manutenção que evite a derrapada em pista molhada. “Você pode colocar o pneu que for, mesmo não estando careca, não tem pista molhada que não deslize”, queixa-se. Em três anos trabalhando com a moto, ele se envolveu em seis acidentes, a maioria debaixo de chuva. O motoboy assume parte da responsabilidade quanto à pressa para fazer entregas, mas cobra respeito por parte dos condutores de carro. “No trânsito, era para o maior proteger o menor, mas não é assim que funciona. Se não se proteger e ficar atento, vai pro chão”, lamenta.

A motorista por aplicativo Beathriz não usa celular ao volante: cuidado(foto: Agatha Gonzaga/Esp. CB/D.A Press )
O taxista Milton bateu o veículo no período chuvoso: ”O carro deslizou”(foto: Agatha Gonzaga/Esp. CB/D.A Press )

Concentração

Taxista há quatro anos, Milton Ferreira, 54, envolveu-se em acidentes de trânsito no período chuvoso. “O (carro) da frente freou bruscamente e, como o chão estava muito molhado, o veículo deslizou e encostou na traseira do outro”, detalha. Para o condutor, no entanto, o uso do celular como GPS para definir os trajetos de algumas viagens não o coloca em risco. “Se você está bem na frente do celular, não tira a atenção. O que tira a atenção é se você vai dirigindo e mexendo no celular, né? Mas, se você coloca a localização antes de sair, não atrapalha não, reforça”, avalia.

Diferentemente de Milton, a motorista do sistema de transporte por aplicativo Beathriz Antunes, 25, que nunca se envolveu em acidente, reconhece que utilizar celular como recurso de trabalho pode ser um complicador para a atenção no trânsito. “Atrapalha, porque, realmente, às vezes, a gente não vê algumas coisas, acaba levando uma buzinada, ou não vê alguém atravessando na faixa. Querendo ou não, ficar olhando para o GPS, dependendo da hora, atrapalha a concentração” afirma.

O Detran orienta os condutores a terem mais cuidado nessa época, como reduzir a velocidade, aumentar a distância do veículo da frente e usar o ar-condicionado, ou abrir um pouco os vidros, para melhorar a visibilidade. Antes de iniciar a direção, é recomendado observar as condições mecânicas do veículo e manter a regularidade de manutenção interna, bem como de partes externas, como o calibre dos pneus.

Quanto ao uso de celular na condução de qualquer veículo, o artigo 252 do Código de Trânsito Brasileiro prevê que tal ação caracteriza infração gravíssima. Além disso, resulta na perda de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e no pagamento de multa de R$ 293,47.

Morte na BR-080
Um acidente de trânsito deixou um morto e dois feridos na BR-080, em Brazlândia. Por volta das 13h de ontem, o veículo conduzido por um motorista de 65 anos atingiu um poste de iluminação. O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) prestaram socorro às vítimas. O condutor foi transportado para o Hospital Regional de Brazlândia orientado, consciente e estável. Uma passageira, de 54 anos, foi levada para o Hospital de Base do Distrito Federal com suspeita de fratura no fêmur da perna esquerda. A outra passageira, que não teve a idade divulgada pelos bombeiros, morreu no local do acidente. Duas faixas da BR-080, em direção a Brazlândia, ficaram interditadas durante o socorro.

Atenção


Evite acidentes durante a chuva:

» Faça revisão de pneus, freios, limpadores e faróis do veículo

» Mantenha os pneus calibrados e evite frear quando cair em um buraco a fim de diminuir o efeito do impacto

» Para ter melhor visibilidade, use o ar-condicionado e o desembaçador elétrico traseiro ou abra um pouco os vidros para deixar o ar circular dentro do veículo

» Reduza a velocidade e mantenha maior distância do veículo da frente

» Se houver pouca visibilidade em função de chuva ou de neblina, pare e espere as condições do tempo melhorarem, caso possa fazer isso com segurança

» Evite freadas ou mudanças bruscas, pois o acúmulo de água na pista pode provocar a aquaplanagem, quando os pneus perdem o contato com o asfalto

» Utilize sempre a luz de seta para indicar mudança de direção

» Em caso de enchente, abandone o veículo assim que o nível de água atingir o batente do carro, pois pode começar a boiar.

Adaptações: Alexandre Torres
Guará News

Você também pode querer ler