Com início das chuvas, poda de árvores é necessária para evitar problemas

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Com início das chuvas, poda de árvores é necessária para evitar problemas

Só neste ano, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) recebeu 4.128 solicitações do corte, por meio de sua ouvidoria, sem contar as demandas de urgência e emergência para podas de árvores. A maior parte delas partiu de moradores do Plano Piloto, com um total de 1.801


A Novacap afirma que recebeu 4.128 solicitações de poda de árvore neste ano, sendo 1.801 só no Plano Piloto(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

O Distrito Federal tem cerca de 5 milhões de árvores, a maioria delas, no Plano Piloto. Se, durante a seca, elas são responsáveis por aliviar o calor e trazer sombra, na chuva, são motivo de preocupação, se não forem devidamente cuidadas. Com o início das precipitações, previstas para este mês, a poda de galhos é a saída para evitar problemas.

Só neste ano, a Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap) recebeu 4.128 solicitações do corte, por meio de sua ouvidoria, sem contar as demandas de urgência e emergência para podas de árvores. A maior parte delas partiu de moradores do Plano Piloto, com um total de 1.801. A companhia informa que, durante o ano, 8.608 árvores foram erradicadas e 1.799 troncos mortos foram retirados.
Chefe do Departamento de Parques e Jardins (DPJ) da Novacap, Raimundo Silva afirma que a poda da vegetação é um trabalho constante. “Estamos trabalhando intensamente. São cerca de 100 pedidos por dia”, destaca. Em 2019, a equipe fez mais de 42 mil intervenções arbóreas.
E não é à toa a preocupação da população com as árvores. A queda de vegetações foi responsável por diversos prejuízos materiais e já deixou alguns feridos no Distrito Federal. O vigilante José Fabrício Pereira, 34 anos,  lembra os momentos de horror que passou em outubro do ano passado quando um galho caiu em cima da filha dele, Maria Sofia, hoje com 6 anos.
A menina foi atingida por um galho quando chegava na escola na 302 Norte, no início da tarde.  “Foi desesperador. A gente nunca espera que aconteça isso. Fui o primeiro a receber a notícia do que tinha ocorrido. Fiquei desesperado, sem chão”, lembra. José afirma que Maria ficou 30 dias internada, sendo uma semana em coma. A garota ainda teve que passar por uma cirurgia de reconstrução do crânio. “Hoje ela está bem. Não ficou sequela. Só a marca na cabeça”, diz, aliviado.
É justamente o medo de acidentes como o de Maria se repetirem que deixa em alerta os moradores da 204 Sul. Pedro Carvalho, prefeito da quadra, conta que, desde julho, ele vem pedindo a poda das árvores que, não só causam riscos de acidentes, como atrapalham a iluminação. “São galhos grossos e antigos. São árvores que estão demandando poda há muito tempo”, destaca.
Pedro conta que já enviou ofício à Administração do Plano Piloto e à Ouvidoria do Governo do Distrito Federal. “A resposta que eu tive é de que a demanda entrou no circuito de atendimento e que eles estão com muitos pedidos, mas, até hoje, não tive nem a visita técnica”, reclama.
A demora no atendimento e a aproximação das chuvas deixa moradores aflitos. “É uma preocupação de todo morador. Talvez a Novacap não tenha condições de atender todo mundo, mas a empresa tem que ir tentando, dentro do possível, pois há o risco de cair uma árvore em cima de um carro ou em cima de alguém”, desabafa a contadora Marli Renata Mazepas, 54.
A Novacap informou, por meio de nota oficial, que vai “verificar o cronograma de podas, baseado nas solicitações recebidas pela ouvidoria ou em caráter de urgência”. No caso da 204 Sul, a companhia afirmou que “vai encaminhar técnicos ao local para verificar a situação e tomar as providências cabíveis à situação”.
Raimundo Silva ressalta que a empresa está fazendo ações preventivas para diminuir os riscos de acidentes e conta com a ajuda da população para informações sobre lugares que precisam de poda com urgência.
Para conseguir atender à demanda, o chefe do Departamento de Parques e Jardins garante que a companhia está preparando uma licitação para contratar mais equipes de trabalho. Porém, ele lembra que a poda das árvores não garante proteção de galhos. “Temos quedas de árvores também por força maior da chuva. A árvore é um ser vivo e pode ocorrer a queda, assim como um poste. Depende da força”.

Apenas retiradas necessárias

O chefe do Departamento de Parques e Jardins da Novacap,  Raimundo Silva, ressalta que é preciso ficar atento à real necessidade da poda de árvores. E, para isso, basta observar as condições da planta. “Quando ela apresentar sinais de sequidão, começar a soltar a casca, tiver fungo, marcas de ataque de broca e os galhos começarem a se desprender de forma anormal, é preciso informar à Novacap”, orienta.
Apenas as árvores que estão com risco de queda ou estão mortas são levadas. “Retiramos se está sobre o passeio, se está danificando estrutura do prédio, se a árvore deslocou a copa para um lado ou se houve deslocamento de raiz no solo”, detalha Raimundo. As árvores que são retiradas são substituídas por outra de espécie adequada para o local.

Chuva

A previsão do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) é de que hoje o Distrito Federal fique com o céu nublado e tenha pancadas de chuva e trovoadas isoladas. “Como a temperatura está alta, a tendência é de que haja pancadas de chuva mais intensas, porém passageiras”, detalha o meteorologista Heráclio Alves. Ele afirma que não há previsão de rajadas de vento.
Por enquanto, a expectativa é de que as chuvas permaneçam irregulares. Elas devem aparecer com mais frequência entre o fim de outubro e o início de novembro. As temperaturas continuam elevadas. A máxima hoje deve chegar a 34°C e a mínima, a 17°C. A umidade do ar varia entre 90% e 25%
SERVIÇO
Demandas devem ser informadas para a Administração Regional da cidade ou para a Ouvidoria da Novacap, pelo número 3403-2626.
Adaptações: Alexandre Torres
Guará News

Você também pode querer ler