“A que ponto chegamos, meu Deus?”, diz Caiado sobre morte de professor

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

“A que ponto chegamos, meu Deus?”, diz Caiado sobre morte de professor

Governador goiano afirmou ter ficado “chocado” com o assassinato do coordenador pedagógico Bruno Pires de Oliveira, em Águas Lindas (GO)

Acervo Governo de GoiásACERVO GOVERNO DE GOIÁS

governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), afirmou neste sábado (31/08/2019) que o estudante Anderson da Silva Leite Monteiro, 18 anos, suspeito de ter assassinado o professor Bruno Pires de Oliveira, 41, “será preso e punido”. A declaração foi dada durante coletiva de imprensa, em Águas Lindas (GO), convocada pelo titular do Palácio das Esmeraldas um dia após o crime que chocou o município goiano. Caiado decretou luto oficial na escola municipal por cinco dias.

“Ninguém está imune a qualquer violência ou crime que tenha praticado. Esse jovem já tem noção clara dos limites e de suas responsabilidades. Ele será preso e punido. É isso que o estado de Goiás pede e será feito”, garantiu o democrata.

De acordo com Caiado, o assassinato reflete o processo gradativo do desrespeito de alunos com os docentes nas escolas. “Professor tem que ser reconhecido como autoridade. Isso é primordial. Esta é a maneira que nós temos de transmitir aos jovens que na escola estão e de cobrar dos pais maior responsabilidade em educar os seus filhos. O Estado não consegue agir sozinho. Esse é um problema que precisa ser resolvido por várias mãos, incluindo a família”, destacou.

O governador goiano afirmou que recebeu a notícia do crime no fim da tarde de sexta-feira (30/08/2019) e que ficou “chocado” com o motivo que fez o suspeito tirar a vida do próprio professor. “A que ponto chegamos, meu Deus?”, questionou ele. O democrata informou que a morte foi causada pela indignação do estudante, por tomar conhecimento de que não teria sido autorizado pelo médico a participar de programa de atividades físicas na escola.

“Fiz questão de trazer aqui a minha solidariedade a toda comunidade de Águas Lindas e da Escola Municipal, trazendo comigo as maiores autoridades da segurança pública, incluindo o secretário de Segurança, o comandante da Polícia Militar e o diretor da Polícia Civil, para dizer que este crime não ficará impune. Estamos empenhados e vamos trabalhar fortemente também no sentido de dar apoio psicológico às crianças e aos professores da escola. Queremos poder estimular nossos professores, que estão traumatizados neste momento. Temos de recomeçar e estamos fazendo nossa parte. Todos temos de agir”, frisou.

Para o Guará News – Alexandre Torres

Fonte Metrópoles

Você também pode querer ler