Violência no Guará não para e o comércio agoniza nas mãos de ladrões e assaltantes

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Violência no Guará não para e o comércio agoniza nas mãos de ladrões e assaltantes

A vitima agora foi mais uma comerciante que trabalha diariamente para manter seu negócio.

em um horário normal, 10 horas da manhã em rua com bancos e comércio ativo o dia inteiro, os ladrões chegaram e anunciaram o assalto , a vendedora Amanda que atendeu primeiramente uma mulher que já esteve outras vezes na loja, levou os produtos solicitados, as pratarias da loja, em seguida chegam os comparsas já intimando e dando a voz de assalto.

Foram poucos minutos.

A Fuga

Foram em disparada na direção da Estrutural, um vizinho em um ato de valentia seguiu os marginais e viu a entrada deles até o local citado, porém não adentrou a cidade da Estrutural por receio e com medo de uma emboscada, Ronald da loja Casa da Impressão, acompanhou o veículo dos ladrões que estava em baixa velocidade, até a chegada do local da fuga nenhuma viatura foi avistada para solicitar um socorro.

Três criminosos invadiram uma loja no Guará II e deixaram cerca de R$ 50 mil em prejuízo. O assalto ocorreu às 10h dessa segunda-feira (19/11/2019). O crime foi gravado por câmeras de segurança. A 4ª Delegacia de Polícia investiga o caso.

Segundo as testemunhas, uma mulher entrou no estabelecimento e pediu para ver alianças. A vendedora abriu a vitrine e a suposta cliente começou a provar as joias. Em seguida, dois homens chegaram ao local e sacaram as armas, que estavam escondidas em uma mochila.

O trio pegou sacolas e, em dois minutos, conseguiu levar todas as bandejas de prata, uma caixa de som, dois celulares, perfumes importados e R$ 300 que estavam no caixa. Após o crime, o bando fugiu em um carro com placa falsa.

“Ainda tenho mercadorias para pagar da reposição que fiz esperando o Natal. Estou arrasada. Pela forma como agiram, foi um crime muito planejado. Ao menos, o casal já esteve na loja antes”, lamentou.

A empresária, que atua no ramo do comércio há seis anos, diz que não tem mais condições de continuar mexendo com prata. “Só vou continuar com a loja, pois existem funcionários que dependem de mim. Porém, vou passar a vender só bijuterias mesmo”, Glaucyene que trabalha na direção da loja desanima mas ainda encontra forças para continuar.

É preciso uma ação urgente das forças de segurança pública para conter esta onda de assaltos que assola a cidade do Guará.

Para Guará News

Alexandre Torres

 

 

Você também pode querer ler