Vamos reciclar. Vidros podem ser reutilizados. Colabore

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Vidros podem ser reutilizados. Colabore

Pontos de descarte se espalham pela cidade, enquanto avançam obras do Complexo de Reciclagem para processar materiais em larga escala

RAFAEL SECUNHO, DA AGÊNCIA BRASÍLIA | EDIÇÃO: CHICO NETO
Diferentes locais  já possuem pontos de coleta instalados: cidade cresce em sustentabilidade | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

O descarte do vidro de maneira correta e sustentável vem se tornando uma realidade no Distrito Federal. Como o material é 100% reciclável, sua reutilização vem sendo incentivada em pontos de entrega voluntária (PEVs), como aquele que, desde o início deste mês, se encontra na sede Administração Regional do Plano Piloto, no Setor Bancário Norte (SBN).

Esse contêiner já recebe potes, garrafas e outras embalagens de vidro de forma segura. Foi instalado por meio de parceria com a Green Ambiental, umas das empresas que disponibilizam o equipamento e encaminham o material para reciclagem.

Diversos restaurantes e supermercados também já colocaram seus PEVs. O GDF, no entanto, tem um projeto maior, que é o de reciclar todo o vidro descartado “dentro de casa”. Para isso, avançam as obras do Complexo de Reciclagem do Distrito Federal, próximo à Vila Estrutural, que terá equipamentos modernos destinados a processar vidro e plástico em larga escala, com uma previsão de até 5 mil toneladas por mês.

Geração de empregos

“O resíduo vítreo é um dos materiais recicláveis que serão desviados do aterro sanitário de Brasília e terão uma destinação final ambientalmente adequada, gerando trabalho, renda e benefícios ambientais”, explica o secretário de Meio Ambiente, Sarney Filho.

750Estimativa de postos de trabalho a serem criados a partir do Complexo de Reciclagem

Uma vez concluído, o empreendimento vai possibilitar a criação de mais de 750 postos de trabalho para catadores de materiais recicláveis. Eles poderão atuar nas duas centrais de triagem e reciclagem (CTRs) e na Central de Comercialização (CC) do complexo. É um passo largo que o DF dá para garantir o tratamento adequado ao vidro.

Como ainda não há usinas para a reciclagem de vidro na capital federal, boa parte do descarte desse material ainda segue para o Aterro Sanitário de Brasília. Enquanto isso, cidadãos e empresas conscientes da importância de cuidar do meio ambiente utilizam, com frequência, os pontos de coleta.

“O vidro é um dos itens que mais pesam no lixo, e não deveria ser depositado no aterro sanitário – sem contar que, se descartado de forma irregular, pode trazer problemas de saúde para quem faz a coleta e a separação do lixo”, adverte a administradora do Plano Piloto, Ilka Teodoro.

“Lixo escondido”

No site da Secretaria de Meio Ambiente (Sema) pode ser encontrada a relação dos pontos para depósito de materiais de logística reversa – aqueles que devem voltar à cadeia produtiva. O vidro é um desses itens. Basta clicar no mapa e selecionar o local mais próximo para o descarte.

A assessora especial do SLU, Andrea Portugal, destaca que boas práticas para o descarte correto do vidro são importantes para a preservação ambiental e garantem seu retorno para a cadeia produtiva. “Se você faz a escolha do vidro ao comprar uma bebida, por exemplo, você também deve fazer o descarte correto”, orienta.  “O vidro vira um pó de areia, um processo mais simples que o tratamento do plástico. Por isso, vamos colocar o vidro no lugar correto”.

O vidro descartado no meio ambiente pode levar até um milhão de anos para se decompor. Passa a ocupar, na natureza, um espaço que é desperdiçado, pois poderia ser utilizado para a fabricação de outros produtos.

“Uma tonelada de vidro vira novamente uma tonelada do material, mas percebemos que as pessoas não observam o que têm dentro de seu lixo, como se o volume estivesse ‘escondido’”, pontua a gerente de resíduos sólidos da Sema, Isadora Lobão. “Cada um deve fazer sua parte nesse processo.”

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler