Vacinas da Pfizer chegam no DF, são 5.800 doses. Doses chegarem nesta noite de segunda

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Pedro Alves, G1 DF

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Lote de vacinas da Pfizer recebida pela Secretaria de Saúde do DF — Foto: SES-DF/Divulgação

Lote de vacinas da Pfizer recebida pela Secretaria de Saúde do DF — Foto: SES-DF/Divulgação

Segundo a Secretaria de Saúde do DF (SES-DF), as doses serão aplicadas em pessoas com comorbidades. A imunização desse público começa nesta terça-feira (4), por meio de agendamento.

A vacina da farmacêutica norte-americana exige cuidados no armazenamento, já que, em longos períodos, precisa ser mantida a uma temperatura entre -65°C e -80°C.

Vacinas da Pfizer chegam ao Distrito Federal

Vacinas da Pfizer chegam ao Distrito Federal

Segundo a SES-DF, uma análise da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) apontou que a vacina mantém as propriedade se ficar sob temperatura entre -15°C e -30°C por um período de até duas semanas, e de 2°C e 8°C por até cinco dias.

A Secretaria de Saúde afirma que “o ultracongelador da Rede de Frio Central tem capacidade de 570 litros e consegue armazenar até 40 mil doses de imunizantes”. Ainda de acordo com a pasta, o equipamento pode chegar a -80ºC. Além disso, a Universidade de Brasília (UnB) disponibilizou cinco “ultracongeladores” para manter a vacina.

Freezer de armazenamento na Rede de Frio do DF — Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Freezer de armazenamento na Rede de Frio do DF — Foto: Breno Esaki/Agência Saúde-DF

Contrato e aplicação

 

Ao todo, o governo federal assinou contrato para a compra de R$ 100 milhões de doses da Pfizer para entrega ao longo deste ano. Além disso, analisa um novo acordo para adquirir mais R$ 100 milhões de doses.

Nesta primeira remessa, o Brasil recebeu 1 milhão de vacinas da farmacêutica. Dessas, 500 mil foram enviadas apenas às capitais das unidades da federação, por conta dos desafios de armazenamento.

Nesta segunda, o Ministério da Saúde (MS) informou que não vai seguir o intervalo entre a primeira e a segunda doses indicado pela fabricante. A Pfizer orienta que a etapa final seja aplicada 21 dias após a inicial.

Segundo o MS, o prazo no Brasil será de 12 semanas (três meses). Em nota técnica, a pasta informou que o intervalo maior foi recomendado com base em estudos feitos no Reino Unido – o país optou por aumentar o espaçamento no início da campanha de vacinação, por causa da escassez de doses.

“Esta recomendação considerou que a vacinação do maior número possível de pessoas com a primeira dose traria maiores benefícios do ponto de vista de saúde pública, considerando a necessidade de uma resposta rápida frente a pandemia de Covid-19”, diz o ministério.

Você também pode querer ler