Presos da Papuda – presídio do DF pedem socorro por cartas contra agressões e torturas

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Marília Marques, g1 DF

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Circuito de segurança flagra policiais penais agredindo detento na PDFI, no Complexo Penitenciário da Papuda, no DF  — Foto: Reprodução

Circuito de segurança flagra policiais penais agredindo detento na PDFI, no Complexo Penitenciário da Papuda, no DF — Foto: Reprodução

Um grupo de presos do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, escreveu cartas para denunciar agressões, punição coletiva e até tortura dentro do presídio. Os textos foram entregues a parentes e repassados para advogados e também para duas comissões de direitos humanos do Distrito Federal.

“Socorro! Socorro! Eles estão nos matando aos poucos, espancando, torturando, deixando a gente com fome, com sede. Peço isto pois não estamos aguentando mais tanta falta de humanidade”, diz uma das cartas.

 

A reportagem procurou o Sindicato dos Policiais Penais do DF para comentar o assunto e a Secretaria de Administração Penitenciária. No entanto, até a publicação desta reportagem, não houve resposta.

Presos da Penitenciária da Papuda escrevem cartas para denunciar tortura e espancamentos — Foto: Reprodução

Presos da Penitenciária da Papuda escrevem cartas para denunciar tortura e espancamentos — Foto: Reprodução

Espancamento e tortura

 

Em uma das cartas, de 19 páginas, os presos que ficam em alas do Centro de Detenção Provisória destinadas a internos que têm nível superior relatam socos, chutes e chineladas por parte dos policiais penais.

“Por diversas vezes nos deixam no sol quente, só de cueca e com a bunda no chão, sendo maltratados e hostilizados […]”, diz trecho da carta.

 

Presos da Penitenciária da Papuda escrevem cartas para denunciar violação de direitos — Foto: Reprodução

Presos da Penitenciária da Papuda escrevem cartas para denunciar violação de direitos — Foto: Reprodução

Segundo o grupo que escreveu as cartas, os agentes “utilizam da fé pública que têm para cometer todos os tipos de abusos e ilegalidades”. Entre as denúncias relatadas pelos internos estão:

  • Apanhar com a própria sandália
  • Ficar de joelhos para ser golpeado
  • Tortura
  • Tapas, socos e chutes
  • Espancamento
  • Compartilhamento obrigatório de máquina de cortar cabelo entre todos
  • Submissão à ilegalidade
  • Detentos serem obrigados a cortar as unhas dos pés de outros detentos com os
  • dentes
  • Punição coletiva

    ‘Castigo e ilegalidade’

     

    Uma das cartas, escrita por presos do CDP-1, foi entregue à advogada Kelly Moreira. Ela disse à reportagem que protocolou a petição em órgãos competentes, entre eles a Comissão de Direitos Humanos da Câmara Legislativa do DF (CLDF) e do Ministério Público.

    A Comissão de Direitos Humanos da CLDF informou, na quinta-feira (7), que “vai dar encaminhamento à denúncia”.

    A advogada que protocolou os pedidos disse que “aceitou a missão [de representar os detentos] porque não considera justo duas punições aos presos, uma de privação e outra de castigo e ilegalidade”.

    “Não se trata apenas da defesa dos detentos, mas de assegurar a eles os direitos que lhes são garantidos pela Constituição Federal”, diz Kelly Moreira.

     

Você também pode querer ler