PF tem aumento de valores e bens apreendidos em 2020 com nova administração

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

PF em ação 

Números da Polícia Federal apontam que as apreensões de valores e bens nas investigações de combate à corrupção e desvio de recursos públicos aumentaram em 2020.

Até novembro, segundo a corporação, o montante chegou a R$ 6,1 bilhões. Foram 281 operações, incluídas aquelas contra o desvio de recursos destinados ao combate à Covid-19.

O valor é superior à soma dos resultados obtidos em 2019 –R$ 2,7 bilhões– e em 2018 –R$ 2,5 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Procurado, o ministro André Mendonça (Justiça) não quis comentar sobre os resultados da pasta, à qual a PF é subordinada. Ele assumiu o posto em abril deste ano, após Sergio Moro deixar o governo acusando Jair Bolsonaro de tentar interferir na corporação.

Informações consolidadas sobre o desempenho da polícia nas ações contra o crime de colarinho-branco eram aguardadas com expectativa em setores do governo federal.

O primeiro ano da administração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fechou com resultados próximos ao do período imediatamente anterior, na gestão de seu antecessor, Michel Temer (MDB).

O relatório de gestão do Ministério da Justiça de 2019, divulgado no início do ano, mostrou que a PF ficou aquém da meta no quesito operações especiais –15% menor se comparada a 2018.

São operações especiais, segundo a pasta, aquelas ações executadas com o emprego de técnicas de investigação como monitoramento telemático, análise de material obtido por meio da quebra de sigilo financeiro e fiscal ou atuação com outros órgãos.

Entram nessa classificação também operações cuja soma de mandados de busca e apreensão e de prisões seja superior a dez ordens judiciais na etapa de deflagração. As ações da Operação Lava Jato são exemplos.

Pesquisa do Datafolha de dezembro de 2019 revelou que 50% dos entrevistados consideraram o governo federal ruim ou péssimo em iniciativas de combate à corrupção.

Episódios como a investigação sobre o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho mais velho do presidente, no caso das “rachadinhas”, e a apuração sobre o laranjal do PSL, revelado pela Folha, reforçaram essa percepção.

Ainda enquanto ministro da Justiça, Moro disse que não houve prejuízo ao enfrentamento do crime de corrupção e que a preocupação era com a qualidade das operações, focadas em alvos estratégicos.

Aliados de Moro dizem que o resultado operacional de sua gestão sofreu impacto por motivos alheios à pasta. Por exemplo, uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) do ano passado que paralisou, por seis meses, investigações em todo o país com dados do Coaf, órgão de inteligência financeira que monitora transações suspeitas.

Quatro meses após o ex-ministro ter deixado o cargo, Bolsonaro foi às redes sociais e afirmou que “como num passe de mágica” as operações da PF passaram a ser realizadas.

O montante de valores e bens apreendidos nos últimos meses é um indicativo de que houve, sim, um incremento operacional. Porém, seria exagero creditar o resultado somente à atual gestão, dizem investigadores ouvidos pela Folha.

O presidente da ADPF (Associação de Delegados da Polícia Federal), Edvandir Paiva, disse que é preciso aguardar mais informações para entender as razões do aumento.

“É cedo para dizer se é fruto desta ou da gestão passada ou ainda de gestões anteriores”, afirmou Paiva. “Mas o dado revela que a PF não ficou parada neste ano tão difícil.”

O agente federal Flávio Werneck, diretor jurídico da Fenapef (Federação Nacional de Policiais Federais), afirmou que a proposta de atuação da corporação, até pouco tempo bastante focada em corrupção, sofreu ajustes, muito até em razão da Lava Jato.

Outras áreas, como o narcotráfico, ganharam espaço na agenda policial nos últimos dois anos, segundo ele.

O economista Bruno Brandão, diretor-executivo da Transparência Internacional no Brasil, disse que, embora a entidade não tenha recebido dados oficiais, há informes que apontam para “um expressivo incremento de operações anticorrupção em relação a anos anteriores”. Sobretudo, frisou ele, em razão das investigações contra o desvio de recursos destinados ao combate da Covid-19.

Brandão afirmou que a polícia não é hoje o foco de maior preocupação da entidade em razão do fortalecimento institucional das últimas duas décadas. “O que não é impossível de ser desconstruído, mas tem uma solidez institucional”, disse.

Ele alertou que as unidades regionais estão mais sujeitas à captura política do que o comando central em Brasília. “Um bom termômetro são os filhotes da Lava Jato. A Lava Jato espalhou filhotes por várias partes do Brasil. Quais delas avançaram, quais não avançaram? A maioria não avançou.”

As informações são da FolhaPress

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler