Parque Educador desenvolverá maquetes de Unidades de Conservação

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Miniaturas serão construídas pelos próprios professores em curso a ser ministrado pelo Brasília Ambiental

 

AGÊNCIA BRASÍLIA* I EDIÇÃO: CAROLINA JARDON
A área de educação ambiental está estudando os mapas, as curvas de nível e tudo o mais que integra o relevo e as especificidades de cada um dos seis parques | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

 

O programa está presente nos parques ecológicos Saburo Onoyama (Taguatinga), Águas Claras, Três Meninas (Samambaia), Riacho Fundo, Sucupira (Planaltina) e Monumento Natural Dom Bosco

Os seis parques que integram o programa Parque Educador, desenvolvido pelo Instituto Brasília Ambiental, por meio da sua Unidade de Educação Ambiental (Educ), vão ganhar suas versões em miniaturas.

A iniciativa visa colaborar com a aprendizagem dos estudantes do ensino público local que participam do programa, além de virar um atrativo nos parques para os frequentadores em geral.

O chefe da Educ, Marcus Paredes, explica que as maquetes serão feitas pelos professores da Secretaria de Educação que estão inseridos no Parque Educador. O curso, que terá duração de três dias, deve ocorrer até a primeira quinzena de maio. O programa está presente nos parques ecológicos Saburo Onoyama (Taguatinga), Águas Claras, Três Meninas (Samambaia), Riacho Fundo, Sucupira (Planaltina) e Monumento Natural Dom Bosco.

No momento, a área de educação ambiental está estudando os mapas, as curvas de nível e tudo o mais que integra o relevo e as especificidades de cada um dos seis parques.

“Será muito interessante. O pessoal vai olhar de cima e enxergará o parque de uma maneira completamente diferente da vista até agora por mapa ou mesmo caminhando no local. Além de colaborar para a aprendizagem, torna as aulas e o contato com o espaço ecológico mais atraente e divertido”, ressalta Paredes.

O chefe da Educ esclarece que a técnica de produção de maquetes que será repassada no curso para os professores é chinesa, e é muito simples e artesanal. “Pedagogicamente é uma coisa fantástica. Eles vão aprender fazendo. Ao final do curso teremos as maquetes prontas, e eles terão condições de passar a técnica adiante para seus alunos”, salienta.

Experiência

A Educ pretende já incluir nas maquetes as trilhas ecológicas que estão sendo organizadas nos seis parques, a pedido dos professores, para que eles possam dar aulas ao ar livre, quando voltar a forma presencial | Foto: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

A Educ não está partindo do zero em termos de produção de maquetes. A área já acumula experiência. “Em 2018 e 2019 já fazíamos maquetes. Fizemos a do Lago Paranoá, a do DF inteiro, a da região administrativa de Santa Maria e a do parque da Chapada dos Veadeiros. Todas usando essa técnica chinesa.

Essas produções foram feitas dentro do Programa Ambiente Consciência, que tínhamos no instituto à época. São maquete simples, com mais toque artístico que precisão técnica, mas baseadas nos mapas, nas curvas de nível, com boa representatividade da realidade do relevo local”, detalha Paredes.

A Educ pretende já incluir nas maquetes as trilhas ecológicas que estão sendo organizadas nos seis parques, a pedido dos professores, para que eles possam dar aulas ao ar livre, quando voltar a forma presencial. Atualmente, devido à pandemia, o Parque Educador é executado virtualmente. A oficina sobre a produção de maquetes será filmada e disponibilizada no site e mídias sociais do Instituto.

Cartilha

A maquete topográfica já está indicada como instrumento de educação pela Educ nacartilha virtual Ambiente com Ciência, publicada no site do Instituto. Esse material promove a interação dos alunos com o espaço onde moram, saindo da abstração dos mapas para a visão em três dimensões, mesmo que em escala reduzida.

O texto de apresentação da cartilha também enfatiza que na maquete é possível somar as informações contidas em muitos mapas sem que elas fiquem confusas. “Temos o relevo retirado dos mapas com curvas de nível, os rios e as bacias dos mapas hidrográficos, as estradas, as cidades, a vegetação e as unidades de conservação de mapas variados”.

* Com informações do Instituto Brasília Ambiental

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

Você também pode querer ler