o problema é sério, hoje a lama toma conta da cidade mas… plano de infraestrutura em Vicente Pires permanece pelo GDF em ação

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Nem a chuva impede plano de infraestrutura em Vicente Pires

Realidade de várias ruas, antes sem drenagem nem pavimentação, já é outra em relação ao ano passado; GDF entregará tudo pronto em 2020

HÉDIO FERREIRA JÚNIOR, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Vicente Pires seguirá seu plano de infraestrutura, mesmo no período de chuvas. A instalação de sistemas de drenagem de água e esgoto, de bocas de lobo e a pavimentação de ruas e calçadas – já realidade em algumas quadras – segue firme.

Essa perspectiva está mudando o dia a dia de moradores e comerciantes, como Welber Rodrigues, de 35 anos, proprietário de uma padaria no cruzamento das ruas 10 e 7. No ponto há pouco mais de seis meses, ele sentiu as dificuldades da falta de infraestrutura viária durante as obras na região administrativa.

Welber, dono de padaria entre a 10 e 7: “Valeu esperar” – Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Reduziu o quadro de funcionários, sentiu a clientela diminuir pela dificuldade do acesso e o faturamento cair. Com a conclusão da pavimentação e colocação de meio-fio na última sexta-feira (27), porém, viu tudo melhorar. “Valeu a pena esperar. Já senti que as vendas aumentaram e, diante disso, precisarei contratar mais funcionários”, prevê.

Até o final de 2020, o Governo do Distrito Federal (GDF) espera entregar todo o projeto de infraestrutura concluído em Vicente Pires. Até setembro, foram asfaltados 142.413 metros quadrados de ruas e avenidas e 49.843 metros quadrados de condomínios e chácaras. Já ganharam pavimentação as ruas 3, 3B, 3C, 4, 4B, 6, 7, 8, 10 – parcial ou integralmente. Na rua 10 há trechos onde até as calçadas foram entregues aos moradores.

Dissipadores e bacias
Dos 85 dissipadores previstos para reduzir a força de correntezas das chuvas antes de desaguarem nos rios, 38 foram concluídos e oito estão em fase de execução. Das 22 bacias de contenção das águas, 10 já estão prontas e oito em andamento.

Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

“Mesmo em dias de chuva continuamos trabalhando, construindo túneis e intervenções subterrâneas, que não são vistas. Na estiagem, aproveitamos para executar a pavimentação das ruas e avenidas. Este ano a população já irá sentir a diferença”, avalia o secretário de Obras e Infraestrutura, Izídio Santos Júnior.

Características geográficas
Planejada para ser uma colônia agrícola de chácaras, inclusive pelas suas características geográficas, a região acabou aos poucos ocupada por casas em condomínios, lojas e edifícios. Tudo, porém, sem um planejamento de rede se captação de águas de chuva e escoamento – o que resultou em diversos alagamentos e incidentes ambientais, causando prejuízos e transtornos à população.

Chegou a hora de o governo dar o retorno necessário trazendo novamente a harmonia para a cidadeIbaneis Rocha, governador do DF

É a primeira vez que um plano organizado passa a ser executado para mudar a realidade de quem vive, trabalha e transita por ali. De acordo com o governador Ibaneis Rocha, Vicente Pires passou por um período de muita tristeza, com muitas chuvas e muitos prejuízos.

Arrumação da casa
Em Vicente Pires há 15 anos, o aposentado Bernardino Filho, de 69 anos, lembra o sofrimento que enfrentava com a lama em dias de chuva e a poeira em excesso nos períodos de seca.

Bernardino, morador há 15 anos: o transtorno de hoje é o conforto de amanhã – Foto: Joel Rodrigues/Agência Brasília

Morador da rua 3, ele precisava dar uma grande volta para sair de casa e evitar os contratempos da área central da região. Agora, ele garante, a história é outra. “É como diz o ditado: o transtorno de hoje é o conforto de amanhã. As pessoas têm que entender que vai passar. E melhorar”, diz.

Dono de uma loja de produtos agropecuários na rua 8, Fernando Santana, de 31 anos, já tem asfalto, meio-fio, boca de lobo e calçada em frente ao seu comércio.

Ele ainda quer mais: não quer poeira e a garantia de que a clientela que sumiu durante as obras reapareça. Mas admite: “É como reformar a casa morando e com os móveis dentro: não tem como não incomodar pra ficar melhor.”

Adaptações: Alexandre Torres

Guará news

Você também pode querer ler