Ministro da saúde declarou “Evitar lockdown é a ordem”

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Ministro da Saúde declarou também que decisão sobre a vacinação do presidente Jair Bolsonaro é um assunto ‘privado’

Amanda Pupo e Wagner Freire

3 ABR 2021

atualizado às 14h54
Adaptações: Alexandre Torres
Guará News
No momento em que o Brasil continua a registrar recordes de mortes por covid-19, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou neste sábado, 3, que a “ordem” é evitar a política de lockdown, mas ponderou que é preciso “fazer o dever de casa”.
“Nós estamos trabalhando sim com protocolos para orientar a população brasileira, sobretudo os que usam transporte público, para fazer isso de forma mais ordenada, a fim de evitar fechamento da nossa economia”, disse em coletiva à imprensa após reunião com a Organização Mundial da Saúde (OMS).
“Precisamos nos organizar para que evitemos medidas extremas e consigamos garantir que pessoas continuem trabalhando e ganhando seu salário, deixando situações extremas para outro caso.
Então evitar lockdown é a ordem, mas temos que fazer nosso dever de casa, e deve não é só do governo federal, estadual ou municípios. É de cada um dos cidadãos”, afirmou o ministro.

Apesar da “ordem” de dispensar o lockdown, de acordo com o que pensa o presidente Jair Bolsonaro, diversas orientações de Queiroga mostram o contraponto no discurso do ministro em relação ao mandatário. Queiroga repetiu o apelo para que a população use máscara de proteção, faça a higiene das mãos, não promova aglomerações e pratique o distanciamento físico.

“Vamos continuar trabalhando e aproveito a oportunidade para nessa época de Páscoa solicitar para cada um dos brasileiros que use as máscaras.

Aproveitem o feriado para não fazer aglomerações, é fundamental, assistimos muitas vezes a população fazendo festas, sem máscaras. Isso não é adequado, precisamos que cada um colabore”, disse o ministro.

Ainda nessa manhã, Bolsonaro fez um passeio junto do ministro da Defesa, Walter Braga Netto, em Brasília. Sem uma máscara à vista durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente visitou um Centro Social da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que distribui sopas em Itapoã, no Distrito Federal. No vídeo, Bolsonaro falou com presentes no local, enquanto comia uma sopa, e voltou a criticar medidas adotadas por governadores para incentivar o distanciamento social. “Somos contra o fecha tudo”, disse o presidente.

‘Essa questão do presidente se vacinar é privada, não me falou nada disso’, diz ministro

Na entrevista à imprensa dada nesta manhã, pouco tempo após a saída de Bolsonaro, o ministro foi questionado se o presidente Jair Bolsonaro tomaria ou não a vacina neste sábado. “Essa questão do presidente se vacinar é privada, não me falou nada disso”, afirmou Queiroga, que em diversas vezes afirmou que a campanha de vacinação é prioridade.

“O presidente ligou para mim e falou da questão de usar as Forças Armadas para apoiar a campanha de vacinação, mas ele não me falou se ia se vacinar hoje”, respondeu.

 

Você também pode querer ler