Libera e fiscaliza, quais as medidas para diversão e evitar aglomerações neste feriado de carnaval

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Por Carolina Cruz, G1 DF

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News


Inspeção do Ministério Público do DF identifica aglomeração em bares no Sudoeste, no DF — Foto: MPDFT/Divulgação

Inspeção do Ministério Público do DF identifica aglomeração em bares no Sudoeste, no DF — Foto: MPDFT/Divulgação

Uma inspeção do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT) identificou o descumprimento de medidas sanitárias contra a Covid-19em bares da capital. A fiscalização ocorreu dias após o governo do DF voltar a autorizar o funcionamento dos estabelecimentos após as 23h. Para os promotores, o GDF deve reforçar a fiscalização com a proximidade do feriado de Carnaval.

Os bares tiveram limitação no horário de funcionamento por dois meses, após estudos apontarem aceleração do contágio pelo novo coronavírus, no início de dezembro. Ainda durante o período de restrição, outras ações flagraram irregularidades. Mesmo assim, a medida foi revogada na última semana.

O relatório da inspeção, divulgado nesta quinta-feira (11), cita que dois bares do Sudoeste “apresentaram grande aglomeração, o distanciamento social inexistia e o uso de máscara foi ignorado pela quase totalidade dos frequentadores”.

Além do Sudoeste, a fiscalização também ocorreu em Águas Claras e na Asa Norte. Ao todo, a equipe do MP esteve em dez estabelecimentos. O relatório cita que, apesar de todos oferecerem álcool em gel, os recipientes ficavam em locais com pouca visibilidade.

Apesar das irregularidades, a inspeção também encontrou bares que conseguiram cumprir o distanciamento e não tinham aglomeração. No entanto, o coordenador da força-tarefa de enfrentamento à Covid-19 do MP, Eduardo Sabo, alerta sobre os riscos para os próximos dias.

“Autoridades de fiscalização sanitária devem agir. É preciso a conscientização das pessoas e uma atuação forte do poder público para evitar essas aglomerações”, disse.

Você também pode querer ler