“Genocida e facista” diz Lula sobre Bolsonaro e afirma que candidatura está em aberto

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Lula diz que será candidato “se for necessário”

Petista chamou Bolsonaro de fascista e genocida durante entrevista

16 abr2021
Fonte: Portal Terra
Adaptações: Alexandre Torres
Guará News
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está elegível para disputar as eleições de 2022 após ter as condenações anuladas pelo STF. Em entrevista ao canal de TV argentinoC5N, o petista falou sobre o seu futuro eleitoral.
Lula está elegível para 2022
Lula está elegível para 2022

Foto: Amanda Perobelli / Reuters

“Se for necessário serei candidato, para ganhar as eleições de um fascista que se chama Bolsonaro, um genocida, por ser o maior responsável pelo caos na pandemia”, afirmou. Lula ainda disse que “não necessariamente será o candidato do Partido dos Trabalhadores”.

“Foi uma mentira muito grande, mas meus advogados provaram que era uma farsa. O juiz mentiu, os procuradores mentiram, a Polícia Federal mentiu, porque tinham que me tirar da disputa eleitoral. Mas estou pronto para a briga”, completou.

Apesar da decisão do STF, ainda está em aberto se as quatro ações penais que miram Lula (do tríplex do Guarujá, do sitio de Atibaia e duas sobre o Instituto Lula) vão ser encaminhadas para a Justiça Federal do DF ou de São Paulo,

onde serão retomadas e ganharão uma ‘nova vida’. O julgamento será retomado na próxima quinta-feira, quando o plenário vai analisar um outro ponto delicado: se a suspeição do ex-juiz federal Sérgio Moro vai ser arquivada ou não.

Pelo raciocínio de Fachin, se a condenação que Moro impôs a Lula na ação do tríplex do Guarujá não existe mais, não faz mais sentido discutir a atuação do ex-juiz federal no caso. Mesmo assim, a Segunda Turma decidiu, no mês passado, por 3 a 2, declarar Moro parcial no caso. Agora, a palavra final será do plenário, que deve se dividir sobre o tema.

A suspeição de Moro é uma questão-chave para o futuro da Lava Jato e de Lula, porque os ministros vão decidir se as provas coletadas pelo ex-magistrado serão reaproveitadas ou não pelo futuro juiz que assumir os casos do ex-presidente. Um dos temores de investigadores é a de que, com a declaração de parcialidade de Moro, haja um efeito cascata, contaminando outros processos da Lava Jato nos quais Moro atuou. Se for mantida a suspeição de Moro, as ações terão de voltar à estaca zero.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Você também pode querer ler