Fake News. Trump compartilha entrevista de bolsonarista investigado, confira

Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Trump compartilha entrevista de bolsonarista investigado por fake news, e Twitter põe alerta de desinformação

O presidente norte-americano Donald Trump compartilhou no Twitter,

na noite desta sexta-feira (20), uma entrevista do bolsonarista Allan dos Santos sobre suposta fraude nas eleições norte-americanas. Santos é um dos investigados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no inquérito das fake news, deixou o Brasil em julho e passou a morar nos Estados Unidos.

Um dos responsáveis pelo site bolsonarista Terça Livre e alvo de ao menos duas operações de busca e apreensão da Polícia Federal ordenadas pelo Supremo, ele participou de programa do canal de TV a cabo chamado One America News Network, pró-Trump.

Allan tem dito que identificou fraudes na recente eleição norte-americana que deu a vitória para o democrata Joe Biden contra Trump, de quem é um defensor.

No entanto, no programa não apresentou qualquer prova concreta e se restringiu a reproduzir teorias frágeis de manipulação das eleições que têm sido disseminadas por apoiadores do presidente norte-americano.

Autoridades eleitorais dos Estados Unidos têm dito que a disputa foi a mais segura da história.

O Twitter colocou na publicação de Trump um alerta de desinformação que diz que a acusação de fraude ali contida é contestada.

Allan disse no programa que uma das empresas que produz máquinas de contagem de votos, Smartmatic, é controlada por um membro do conselho da Open Society Foundations, Mark Malloch-Brown, criada pelo bilionário filantropo George Soros, alvo frequente de ataques da direita radical.

Rudy Giuliani, advogado de Trump, já citou a mesma teoria em linhas gerais anteriormente, em argumento classificado como conspiratório.

Também repetindo senda aberta por Giuliani e outros trumpistas, Allan atacou a empresa Dominion, responsável pelos softwares de máquinas de contagem de votos. O próprio Trump já fez críticas à empresa, acusando-a de ter computado milhões de votos a menos para ele.

A Dominion publicou uma declaração em conjunto com o departamento de segurança dos EUA afirmando não existir qualquer evidência de que qualquer sistema de votação tenha deletado, perdido ou mudado votos nas eleições norte-americanas de 2020.

CAMILA MATTOSO BRASÍLIA, DF

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

As informações são da FolhaPress

 

Você também pode querer ler