Home / Cidades / Líder do 300 do Brasil diz ter sofrido ataque hacker do Anonymous
Últimas Notícias

Líder do 300 do Brasil diz ter sofrido ataque hacker do Anonymous

Líder do 300 do Brasil diz ter sofrido ataque hacker do Anonymous

Segundo Sara Winter, dados pessoais dela e de seus familiares foram disseminados na internet com o objetivo de expor todos que a cercam

Sara WinterREPRODUÇÃO

ATUALIZADO 02/06/2020 6:35

Mergulhada em polêmicas e investigada no inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) que apura casos de fake newsuma das líderes do movimento de direita 300 do Brasil, Sara Fernanda Giromini, mais conhecida como Sara Winter, utilizou suas redes sociais para afirmar ter sido alvo de um ataque hackerSegundo a bolsonarista, dados pessoais dela e de seus familiares foram disseminados na internet com o objetivo de expor todos que a cercam.

Sara Winter ficou no centro das atenções após ter sido alvo de mandado de busca e apreensão determinado pelo Supremo no âmbito das investigações sobre a disseminação de notícias falsas e ameaças contra ministros da Corte. Em uma de suas postagens, a coordenadora do movimento pró-Bolsonaro na capital federal relatou ter sido, supostamente, atacada por um grupo hacker mundialmente conhecido.

“Urgente! O Anonymous divulgou todos os meus dados, incluindo endereço de familiares! Meu Deus, como vou manter meu filho em segurança? Seus covardes! Asquerosos! (Repostando porque o primeiro Tweet eu estava tão nervosa que não rasurei nada)”, escreveu ela no Twitter.

Em um segundo post, a bolsonarista revelou que seus familiares passaram a sofrer ameaças de morte. “Os números de meus familiares já foram invadidos por ameaças de morte. Processaremos CPF por CPF desses canalhas!! Estou avisando, tentem fazer o que quiserem comigo, se tocarem num fio de cabelo do meu filho, se arrependerão pro resto da vida! Deixem minha família em paz!”, alertou.

Veja fotos da líder do 300 do Brasil:

Vazamento fake

Na publicação anterior, a militante postou um print de conversa de WhatsApp na qual insinuava que ela mesma havia mandado as mensagens com seus supostos dados pessoais. “Ficou bem melhor do que na primeira versão, em que ficava óbvio que você mesma enviou a mensagem fingindo ser um vazamento”, respondeu um internauta à ex-feminista.

Polícia Civil do Distrito Federal instaurou inquérito para apurar qual é o novo local de concentração do 300 do Brasil. Os investigadores também trabalham para identificar e qualificar o papel de cada integrante no movimento. As autoridades pretendem determinar como funciona a logística, administração e de onde vem o dinheiro que financia o acampamento. Parte dos manifestantes segue em um ponto fixo na Esplanada dos Ministérios, em frente ao Ministério da Justiça.

Conforme o Metrópoles revelou, o último lugar identificado nos relatórios de inteligência era uma chácara no Núcleo Rural Rajadinha, entre as regiões administrativas do Paranoá e de Planaltina (veja fotos abaixo).

O imóvel que os extremistas usaram como base pertence a um oficial aposentado do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal (CBMDF), o tenente Altamiro Rajão. O terreno entrou no radar do Ministério Público do Distrito Federal (MPDFT), que chegou a pedir o cumprimento de mandados de busca e apreensão no local. A investigação fez com que os militantes deixassem a área.

Em entrevista, Rajão contou ter sido procurado recentemente por um amigo ativista, que apoia o governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e que perguntou se o lugar poderia hospedar, temporariamente, um grupo de pessoas de outros estados que viria para Brasília participar de uma manifestação. Ao perceber que eram pessoas a favor de Bolsonaro, o bombeiro aposentado permitiu que o grupo usasse as instalações de forma gratuita.

“Entretanto, fui surpreendido pelas redes sociais com a informação de que o local serviria como uma espécie de QG para treinamento paramilitar. Prontamente desautorizei tal iniciativa, pedindo que o grupo permanecesse apenas naquele final de semana”, afirmou.

No entanto, o militar ressaltou que dezenas de pessoas de outros estados permaneceram nas instalações por quase uma semana, mas sem qualquer envolvimento com integrantes do 300 do Brasil.

“Continuarei defendendo e apoiando o governo Bolsonaro, a governabilidade do Brasil, a liberdade de manifestação e de imprensa. Mas não comungo com qualquer espécie de ação contra as instituições, a democracia e os poderes constituídos”, disse o militar. “Portanto, não temos vínculo nenhum com grupos paramilitares e muito menos estimulamos a desordem nacional”, acrescentou.

Adaptações: Alexandre Torres

Guará News

 

Notícias Relacionadas

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicadoCampos obrigatórios estão marcados *

*